Arquivos:

Ameaça radiológica iminente » China

“Ameaça radiológica iminente”: EUA avaliam vazamento em instalação de energia nuclear chinesa

Foto: CNN

O governo dos Estados Unidos passou a última semana avaliando um relatório de um vazamento em uma usina nuclear chinesa, depois que uma empresa francesa que a possui e ajuda a operá-la alertou sobre uma “ameaça radiológica iminente”, de acordo com funcionários e documentos americanos revisado pela CNN.

O aviso incluía uma acusação de que a autoridade de segurança chinesa estava aumentando os limites aceitáveis ??para detecção de radiação fora da Usina Nuclear de Taishan, na província de Guangdong, a fim de evitar ter que desligá-la, de acordo com uma carta da empresa francesa enviada ao Departamento de Energia dos EUA, obtida pela CNN.

Apesar da notificação da Framatome, a empresa francesa, a administração Biden acredita que a instalação ainda não está em um “nível de crise”, disse uma das fontes.

Embora as autoridades americanas tenham considerado que a situação não representa atualmente uma grave ameaça à segurança dos trabalhadores da fábrica ou do público chinês, é incomum que uma empresa estrangeira busque ajuda unilateralmente ao governo americano quando seu parceiro estatal chinês ainda está para reconhecer que existe um problema.

O cenário pode colocar os EUA em uma situação complicada caso o vazamento continue ou se torne mais grave sem ser corrigido.

No entanto, a preocupação foi significativa o suficiente para que o Conselho de Segurança Nacional realizasse várias reuniões na semana passada enquanto monitorava a situação, incluindo duas com deputados e outra reunião com secretário adjunto na sexta-feira, que foi liderada pela Diretora Sênior do NSC para a China, Laura Rosenberger, e pelo Diretor Sênior de Controle de Armas, Mallory Stewart.

O governo Biden discutiu a situação com o governo francês e seus próprios especialistas do Departamento de Energia, disseram as fontes. Os EUA também estiveram em contato com o governo chinês, disseram autoridades americanas, embora a extensão desse contato não seja clara.

O governo dos EUA se recusou a explicar a avaliação, mas funcionários do NSC, do Departamento de Estado e do Departamento de Energia insistiram que, se houvesse algum risco para o público chinês, os EUA seriam obrigados a torná-lo conhecido de acordo com os tratados atuais relacionados a acidentes nucleares.

A Framatome havia entrado em contato com os Estados Unidos para obter uma dispensa que permitiria a eles compartilhar a assistência técnica americana para resolver o problema na fábrica chinesa. Existem apenas duas razões pelas quais essa renúncia seria concedida, e uma é uma “ameaça radiológica iminente”, o mesmo palavreado usado no memorando de 8 de junho.

O memorando afirma que o limite chinês foi aumentado para exceder os padrões franceses, mas ainda não está claro como isso se compara aos limites dos EUA.

“Não é surpresa que os franceses estenderiam a mão”, disse Cheryl Rofer, cientista nuclear que se aposentou do Laboratório Nacional de Los Alamos em 2001. “Em geral, esse tipo de coisa não é extraordinário, especialmente se eles pensam que o país está entrando em contato tem alguma habilidade especial para ajudar.”

“Mas a China gosta de projetar que está tudo bem, o tempo todo”, acrescentou ela.

Os EUA poderiam dar permissão à Framatome para fornecer assistência técnica ou suporte para ajudar a resolver o problema, mas é decisão do governo chinês se o incidente exige o desligamento total da fábrica, indicam documentos obtidos pela CNN.

No final das contas, o pedido de assistência da Framatome em 8 de junho é a única razão pela qual os EUA se envolveram na situação, disseram várias fontes à CNN.

A CNN entrou em contato com as autoridades chinesas em Pequim e na província de Guangdong, onde a usina está localizada, a embaixada chinesa em Washington, DC, bem como o grupo de energia estatal que opera a usina junto com a empresa francesa. Nenhum respondeu diretamente, embora a China esteja em meio a um feriado nacional de três dias que vai até o final desta segunda-feira.

No entanto, a Usina Nuclear de Taishan publicou um comunicado em seu site na noite deste domingo, horário local, afirmando que as leituras ambientais da usina e da área ao redor eram “normais”.

Os dois reatores nucleares em Taishan estão operacionais, disse o comunicado, acrescentando que a Unidade 2 havia recentemente completado uma “revisão” e “conectada com sucesso à rede em 10 de junho de 2021.” O comunicado não definiu por que ou como a planta foi reformada.

“Desde que foi colocada em operação comercial, a Usina Nuclear de Taishan controlou estritamente a operação das unidades de acordo com os documentos de licença de operação e procedimentos técnicos. Todos os indicadores operacionais das duas unidades atenderam aos requisitos dos regulamentos de segurança nuclear e da usina especificações técnicas “, observou o comunicado.

Em uma declaração separada nesta sexta-feira, horas após a CNN ter feito o primeiro contato para comentar, a Framatome reconheceu que a empresa “está apoiando a resolução de um problema de desempenho com a Usina Nuclear de Taishan na província de Guangdong, China”.

“De acordo com os dados disponíveis, a planta está operando dentro dos parâmetros de segurança. Nossa equipe está trabalhando com especialistas relevantes para avaliar a situação e propor soluções para resolver qualquer problema potencial”, acrescentou o comunicado.

A Framatome não abordaria diretamente o conteúdo da carta ao Departamento de Energia quando solicitado pela CNN.

A carta foi enviada em um momento em que as tensões entre Pequim e Washington continuam altas e os líderes do G7 se reuniram neste fim de semana no Reino Unido, tendo a China como importante tópico de discussão. Não há indícios de que os relatos de vazamentos tenham sido discutidos em alto nível na cúpula.

CNN

Empresas filiadas

Banners Parceiros

Design por: John Carlos
Programação por: Caio Vidal
Botch das divs centrais
© 2021 Direitos Reservados - Jean Souza