Vagas

Brasil fecha 2018 com saldo positivo de 529,5 mil novos empregos

Brasil fechou 2018 com saldo positivo de 529,5 mil novos empregos formais, segundo o Caged

O Brasil fechou 2018 com saldo positivo de 529,5 mil novos empregos formais, segundo o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), divulgado nesta quarta-feira, 23, pela Secretaria Especial de Previdência e Trabalho do Ministério da Economia. Foi o melhor resultado desde 2013 e o primeiro saldo positivo desde 2014, quando houve geração de 420,6 mil empregos formais.

Em dezembro, em decorrência da sazonalidade negativa do mês em alguns setores de atividade, o mercado formal teve retração. A queda do saldo no mês (-334,4 mil postos) foi resultado de 961,1 mil de admissões e 1,2 milhão de desligamentos. O Comércio se destacou positivamente, com abertura de 19,6 mil novos postos. O resultado foi impulsionado pelo subsetor do Comércio Varejista (21,9 mil postos formais). Apesar de ser, historicamente, um período de retração, o último mês de 2018 pode ser considerado o segundo melhor para o mercado formal desde dezembro de 2007, quando foram fechadas 319,4 mil vagas.

Resultados do ano – No acumulado do ano, o emprego celetista cresceu em todas as regiões do país. O Sudeste teve o melhor desempenho, com 251,7 mil novos postos (+1,27%), seguido pelo Sul (102,2 mil postos, +1,45%), Nordeste (80,6 mil postos, +1,30%), Centro-Oeste (66,8 mil postos, +2,14%) e Norte (28,1 mil postos, +1,65%).

Das unidades federativas, 23 registraram expansão do emprego. Os melhores resultados foram de São Paulo, com 146,5 mil novas vagas (+1,24%); Minas Gerais, com 81,9 mil (+2,10%); Santa Catarina, com 41,7 mil (+2,13%); e Paraná, com 40,2 mil (+1,57%). Apenas Alagoas (-157 vagas, -0,04%), Roraima (-397 vagas, -0,76%), Acre (-961 vagas, -1,23%) e Mato Grosso do Sul (-3,1 mil vagas, -0,61%) tiveram redução no saldo.

Entre os ramos de atividade, o setor de Serviços liderou a retomada do emprego no ano, com saldo de 398,6 mil novos postos (+2,38%). Destaque para os subsetores de Comércio e Administração de Imóveis, Valores Mobiliários e Serviço Técnico (+165,9 mil empregos, +3,60%), Serviços Médicos, Odontológicos e Veterinários (+88,9 mil empregos, +4,31%) e Serviços de Alojamento, Alimentação, Reparação, Manutenção, Redação (+68,1 mil empregos, +1,21%).

O Comércio teve o segundo melhor desempenho, com saldo superior a 102 mil novas vagas (+1,13%), seguido pela Construção Civil, que abriu 17,9 mil novos postos de trabalho (+0,89%), e os Serviços Industriais de Utilidade Pública (Siup), com 7,8 mil vagas abertas (+1,95%).

Também apresentaram expansão do emprego celetista no ano passado a Agropecuária, com saldo de 3.245 postos de trabalho (+0,21%); a Indústria de Transformação, que registrou saldo de 2,6 mil novas vagas (+0,04%); e o setor Extrativo Mineral, com 1,4 mil postos abertos (+0,78%). Apenas a Administração Pública teve retração no acumulado do ano (-4,1 mil vagas, -0,54%).

Dezembro – A sazonalidade típica do mês se refletiu no desempenho dos setores da Indústria de Transformação (-118 mil postos), Serviços (-117,4 mil postos), Construção Civil (-51,5 mil postos), Agropecuária (-47,6 mil postos), Administração Pública (-16,9 mil postos), Serviços Industriais de Utilidade Pública (-1,4 mil postos) e Extrativa Mineral (-1 mil postos). O saldo negativo nestes setores resultou de fatores como a paralisação das obras na Construção Civil pelo regime de chuvas, a entressafra agrícola na Agropecuária, as férias nos Serviços de Educação e os ajustes no quadro de pessoal das indústrias depois de atendidas as encomendas de fim de ano.

De acordo com o Caged,as cinco regiões apresentaram retração do emprego formal no último mês do ano. O maior número de vagas fechadas era do Sudeste (-167,2 mil postos, -0,83%), mais do que o dobro da região Sul (-71,7 mil postos, -0,99%). No Nordeste (-43,9 mil postos, -0,70%), Centro-Oeste (-39,2 mil postos, -1,22%) e Norte (-12.283 postos, -0,71%) também houve retração.

Da mesma forma, a variação foi negativa nas 27 Unidades Federativas. Os menores saldos de emprego ocorreram em São Paulo (-110,2 mil postos, -0,91%), Minas Gerais (-38,7 mil postos, -0,97%), Paraná (-26,8 mil postos, -1,02%), Santa Catarina (-22,6 mil postos, -1,12%), e Rio Grande do Sul (-22,2 mil postos, -0,87%).

Modernização trabalhista

Em relação às mudanças introduzidas com a nova lei trabalhista, no acumulado do ano o Caged registrou 163,7 mil desligamentos decorrentes de acordo entre empregador e empregado. Foram 80,1 mil (48,9%) nos Serviços, 40,2 mil no Comércio (24,6%), 26,1 mil na Indústria de Transformação (16,0%), 9,2 mil na Construção Civil (5,7%) e 5,9 mil na Agropecuária (3,6%).

Só em dezembro, foram 14,1 mil desligamentos mediante acordo entre empregador e empregado, envolvendo mais de 10 mil estabelecimentos,em um universo de9,1 mil empresas. Um total de 44 empregados realizou mais de um desligamento mediante acordo com o empregador.

Intermitente – Na modalidade de trabalho intermitente, houve 69,9 mil admissões e 19,9 mil desligamentos de trabalhadores em 2018, com saldo superior a 50 mil empregos. Desses, 21,8 mil postos (43,7%) foram em Serviços; 12,2 mil (24,5%) no Comércio; 8,3 mil (16,8%) na Construção Civil; e 6,4 mil (12,9%) na Indústria de Transformação.

O saldo também foi positivo nessa modalidade em dezembro, com 8,9 mil admissões e 3 mil desligamentos, resultando na abertura de 5,8 mil empregos que envolveram 2,2 mil estabelecimentos e 1,4 mil empresas contratantes. Ao todo, 37 empregados celebraram mais de um contrato na condição de trabalhador intermitente.

Parcial – O mercado também registrou abertura de novas vagas em tempo parcial em 2018, com um total de 68,9 mil admissões e 47,5 mil desligamentos. O saldo foi de 21,3 mil novos empregos nessa modalidade, sendo 12,1 mil postos (56,7%) nos Serviços, 6,5 mil (30,7%) no Comércio e 1,6 mil (7,9%) na Indústria de Transformação.

Essa modalidade respondeu por 4,3 mil admissões e 6,6 mil desligamentos, em dezembro. Nesse caso, houve o fechamento de 2,2 mil postos,envolvendo 2,2 mil estabelecimentos e 1,8 mil empresas contratantes. Um total de 19 empregados celebrou mais de um contrato em regime de tempo parcial.

Salário

O salário médio de admissão em dezembro de 2018 foi de R$1.531,28, e o salário médio de desligamento, de R$1.729,51. Em termos reais (deflacionado pelo INPC), houve crescimento de R$ 2,88 (0,19%) no salário de admissão e de R$ 40,59 (2,40%) no de desligamento, em comparação ao mês anterior. Em relação a dezembro de 2017, houve aumento real de R$ 3,14 (0,21%) para o salário médio de admissão e perda real de R$ 24,43 (-1,39%) para o salário de desligamento.

Agora RN

Últimos Eventos

21/09/2019
São Vicente/RN
03/03/19
Master Leite
06/05/18
Parque Dinissauros - Povoado Sto Antonio (Cobra)
Março 2017
Aero Clube

Mais eventos

Jornal Expresso RN

Baixar edições anteriores

Curta Jean Souza no Facebook

Siga Jean Souza no Instagram

Empresas filiadas

Banners Parceiros

Design por: John Carlos
Programação por: Caio Vidal
X
Experimente o nosso aplicativo para Android. Clique para baixar e aproveite!