Sem categoria

Questionado sobre situação do Amazonas, Bolsonaro afirma que “poderia estar participando mais ativamente”, porém foi “proibido pelo STF”

O presidente Jair Bolsonaro rebateu, nesta sexta-feira, 15, as críticas feitas pelo governador de São Paulo, João Doria (PSDB). Em meio a um cenário caótico no Amazonas por causa do aumento de casos da Covid-19 e falta de leitos e insumos básicos, Doria chamou o presidente de “facínora” e pediu que a sociedade reagisse contra ele.

“Me acusar de facínora e genocida, é discurso de quem não tem discurso”, afirmou Bolsonaro em uma entrevista exclusiva ao programa Os Pingos nos Is, da Jovem Pan. Em sua fala, o presidente criticou, também, o aumento do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) proposto pelo governador, com a justificativa das perdas financeiras devido à pandemia da Covid-19.

“Doria aumentou ICMS de quase tudo porque ajuda na pandemia e inflação, tem que ter muita coragem para falar uma besteira como essa. Ele pega tudo de ruim que acontece e coloca no meu colo, mas não diz que o STF fez um equívoco ao tirar a responsabilidade do governo federal [em relação as medidas sobre o novo coronavírus]”, continuou Bolsonaro.

Situação no Amazonas

Ao ser questionado sobre a situação do Amazonas, o presidente argumentou que “poderia estar participando mais ativamente”, porém foi “proibido pelo Supremo Tribunal Federal (STF)“, que definiu que as prerrogativas sobre como lidar com a crise da Covid-19 seriam dos estados e municípios. Segundo ele, os problemas “começaram a aparecer no estado” na última semana, “quando a temperatura subiu”.

“Estamos fazendo o possível. O que nos surpreende é chegar lá e encontrar a saúde em uma situação muito complicada. Há seis meses, a secretária de saúde foi presa”, explicou. Ele voltou, ainda, a culpar a mídia pela “desinformação” sobre as ações do governo, com o pretexto de desgastá-lo.

“Tenho que resistir. Mostrar o que é o Brasil e para onde nós estamos partindo, mas o peso que eu sofro é demais. Não estou reclamando, sabia que seria difícil. Mas estamos fazendo diferente, apesar dos problemas”, afirmou. O presidente esclareceu também que, se depender dele, o auxílio emergencial não será prorrogado em 2021. “Não podemos continuar dando auxílio emergencial para a população. Não podemos entrar no populismo, voltar com o auxílio, vai bagunçar a economia do país”, disse.

Até o momento, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) não aprovou nenhuma vacina contra o coronavírus no Brasil. Bolsonaro voltou a defender que a imunização não seja obrigatória e que as análises sejam feitas com muito cuidado, já que não há “comprovação científica”.

Além disso, uma das preocupações do presidente é que as empresas não se responsabilizam por possíveis efeitos colaterais, o que está sendo um entrave para a aprovação dos imunizantes no país. “O que podemos oferecer hoje é o tratamento precoce. Há diferença entre uma vacina e a cloroquina, que tem comprovação científica. A vacina tem efeitos colaterais, a cloroquina não. (…) Da minha parte estou com a consciência tranquila, dou as minhas opiniões e, mesmo sendo execrado, continuo falando na ivermectina e cloroquina como forma de tratamento para a Covid-19″, defendeu.


Últimos Eventos

21/09/2019
São Vicente/RN
03/03/19
Master Leite
06/05/18
Parque Dinissauros - Povoado Sto Antonio (Cobra)
Março 2017
Aero Clube

Mais eventos

Jornal Expresso RN

Baixar edições anteriores

Curta Jean Souza no Facebook

Siga Jean Souza no Instagram

Empresas filiadas

Banners Parceiros

Design por: John Carlos
Programação por: Caio Vidal
X
Experimente o nosso aplicativo para Android. Clique para baixar e aproveite!