Diversos

Presidente da Sinpef-RN diz que combate às drogas do Brasil é “luta perdida”

Presidente do Sindicato dos Policiais Federais (Sinpef/RN), José Antônio Aquino

Um dia depois da apreensão de uma tonelada de cocaína escondida dentro de um container de mangas no Porto de Natal, na tarde da segunda-feira, 13, o presidente do Sindicato dos Policiais Federais (Sinpef/RN), José Antônio Aquino, disse que o combate às drogas no Brasil é “uma guerra perdida”.

Segundo ele, o máximo que as autoridades vem conseguindo é “prender as mulas do tráfico”, enquanto os grandes organizadores e financiadores da atividade criminosa continuam soltos.

Falando em seu nome e da entidade que representa – e não pela instituição Polícia Federal – Aquino questionou o modelo de combate às drogas no País e sugeriu que o governo federal deveria examinar a liberação de algumas drogas, não mencionando quais. “Não seria cocaína”, frisou.

Em entrevista à jornalista Anna Karinna Castro, âncora do programa Jornal Agora, pelo 97,9 FM, o presidente do Sinpef-RN afirmou que o atual modelo adotado pelas polícias, no máximo, pode ser eficiente até determinado grau, mas não tem alcançado vitórias efetivas contra tráfico de drogas.

Como o método dos traficantes muda com frequência para livrá-los da prisão, “o Estado está perdendo a corrida para os criminosos”, avaliou. “Trata-se de uma visão pessoal, não institucional da Polícia Federal”, insistiu.

Ele comparou os métodos os usados de repressão às drogas à Lei Seca nos Estados Unidos, que durou de 1920 a 1933, ao que acontece hoje à repressão às drogas no Brasil. “Ela (a Lei Seca) foi extinta justamente para desarticular as gangues que enriqueceram às custas da proibição”, lembrou.

Repercussão

Para o presidente do Sindicato dos Estivadores, Lenilto Caldas, a nova apreensão de drogas no porto de Natal – a terceira este ano – não deve criar mais problemas como a CMA/CGM.

A empresa, que realiza a exportação de frutas, ameaçou deixar de operar no terminal por ocasião de duas apreensões seguidas de drogas ocorridas em fevereiro.

“Isto está acontecendo no0 Brasil todo e só este ano já tivemos apreensões nos portos de Paranaguá e do Ceará”, amenizou.

Para o sindicalista, as autoridades deveriam monitorar melhor novos exportadores e prestar mais atenção nas cargas originadas de locais sob suspeita das autoridades.

“Um quilo da pasta base de cocaína é cotada em 35 mil Euros o quilo (R$ 150 mil) e é claro que a remessa via porto é muito mais atrativa do que a pouca quantidade transportada por mulas que embarcam em aeroportos”, comparou em referências às pessoas contratadas para levar saquinhos da droga depois de engoli-las.

Da China, onde nesta quinta-feira, 16, manterá reunião com representantes do governo para decidir sobre a abertura de uma linha para o melão produzido no RN, o presidente da Agrícola Famosa, Luiz Roberto Barcelos, lamentou pelo telefone a nova apreensão de drogas.

“Isso sinaliza para medidas urgentes que mostrem a preocupação do setor pelo fato do RN estar sendo visto como rota internacional de drogas”, afirmou o empresário, que é o maior exportador de frutas do Brasil.

Agora RN

Últimos Eventos

21/09/2019
São Vicente/RN
03/03/19
Master Leite
06/05/18
Parque Dinissauros - Povoado Sto Antonio (Cobra)
Março 2017
Aero Clube

Mais eventos

Jornal Expresso RN

Baixar edições anteriores

Curta Jean Souza no Facebook

Siga Jean Souza no Instagram

Empresas filiadas

Banners Parceiros

Design por: John Carlos
Programação por: Caio Vidal
X
Experimente o nosso aplicativo para Android. Clique para baixar e aproveite!