Combustível » Mundo » Petróleo

Para reduzir preço do petróleo, EUA e outros países vão liberar 60 milhões de barris de estoque de emergência

Foto: PASCAL ROSSIGNOL / REUTERS

Os Estados Unidos e outras grandes economias concordaram em um esforço coordenado para liberar reservas de petróleo depois que a invasão da Ucrânia pela Rússia pressionou os preços da commodity para acima de US$ 100.

A Agência Internacional de Energia (AIE), que representa os consumidores-chave, vai liberar 60 milhões de barris de reservas ao redor do mundo. Metade dessa quantidade vai vir do estoque estratégico americano, com o restante vindo de integrantes da agência da Europa e da Ásia, segundo uma fonte a par das conversas.

Será a segunda liberação de reservas de petróleo em um intervalo de poucos meses feita pelos EUA enquanto o barril dispara como resultado de problemas políticos durante o governo de Joe Biden. A notícia, porém, não foi suficiente para mudar a trajetória da cotação nesta terça, que permanecia acima dos US$ 100.

“A situação no mercado de energia é muito séria e exige nossa total atenção”, disse Fatih Birol, diretor da agência em declaração publicada no site da instituição. “A segurança energética global está sob ameaça, colocando a economia global em risco durante fase frágil de recuperação”.

A Agência Internacional de Energia vai continuar a monitorar os mercados de energia e pode recomendar a liberação de volumes adicionais de reservas se for necessário.

O barril do Brent chegou a US$ 105 em Londres pela primeira vez desde 2014 com receio de que o suprimento de petróleo e gás da Rússia possa ser suspenso, em razão do conflito na Ucrânia ou de medidas retaliatórias. A corrida está exacerbando um aumento da inflação em países que compram o produto, ameaçando a recuperação econômica e piorando o custo de vida na crise para milhões de pessoas.

Liberação sincronizada de reservas

É a primeira vez que a Agência Internacional de Energia faz uma liberação sincronizada de reservas desde a guerra civil da Líbia em 2011. Há ecos daquela crise nos eventos desta terça-feira: foi a resistência da Arábia Saudita há dez anos que levou a agência a entrar em ação.

Outros momentos de liberação de reservas ocorreram durante a Guerra do Golfo, em 1991, e após os furacões Rita e Katrina, em 2005, fazendo desta a quarta vez na história que há esse tipo de operação.

Os 30 integrantes da Agência Internacional de Energia incluem EUA, Japão, Alemanha e França.

O volume de petróleo de cada país participante será determinado nos próximos dias, disse o diretor da divisão de assuntos internacionais do Ministério do Comércio do Japão, Hidechika Koizumi.

O Globo


Últimos Eventos

21/09/2019
São Vicente/RN
03/03/19
Master Leite
06/05/18
Parque Dinissauros - Povoado Sto Antonio (Cobra)
Março 2017
Aero Clube

Mais eventos

Jornal Expresso RN

Baixar edições anteriores

Curta Jean Souza no Facebook

Siga Jean Souza no Instagram

Empresas filiadas

Banners Parceiros

Design por: John Carlos
Programação por: Caio Vidal
© 2021 Direitos Reservados - Jean Souza