Auxílio Emergencial » Rio Grande do Norte

Supermercados do RN já sentem queda nas vendas após fim do auxílio emergencial

Supermercados do RN já sentem impacto do fim do auxílio emergencial – Foto: Tânia Rêgo / Agência Brasil

O impacto econômico do fim do auxílio emergencial, que foi pago pelo Governo Federal de abril a dezembro de 2020, já começou a ser percebido, tanto para quem era beneficiário quanto para quem gerencia supermercados e percebeu a queda brusca nas vendas.

É o caso de Geraldo Paiva Júnior, presidente do Sindicato do Comércio de Gêneros Alimentícios (Sincovaga) e proprietário de uma das unidades da rede de supermercados Rede Mais. “Impactou demais. Quando o primeiro auxílio foi pago, as vendas aumentaram. Desde que acabou, em janeiro, tivemos uma queda brusca nas compras”, relata, ao Agora RN.

O empresário acrescenta que, no início do pagamento do recurso, o aumento nas vendas foi de cerca de 20%. Em janeiro, a queda foi de 15%.

De acordo com a Pesquisa Nacional de Cesta Básica de Alimentos do Departamento Intersindical de Estatísticas e Estudos Econômicos (Diesee), Natal teve uma redução de 0,94% no preço da cesta básica em janeiro de 2021 – maior queda de preço entre as capitais do Nordeste.

As pessoas que mais estão sentindo as dificuldades com o cancelamento do auxílio e, consequentemente comprando menos, são as pessoas de baixa renda. Lucrécia Alves viu sua renda despencar em 90% de maio de 2020 a janeiro deste ano. Ela recebeu cinco parcelas do benefício de R$ 1.200 para mães chefes de família e quatro parcelas com metade do valor. Agora, recebe apenas o valor referente ao Bolsa Família.

Mãe de dois filhos, ela vive em São Gonçalo do Amarante, Região Metropolitana de Natal, e faz “bicos” de diarista, mas viu a demanda reduzir drasticamente por causa da pandemia.

“Embora a gente tente sempre se virar é muito difícil. A criança não entende muito e pede as coisas que a gente não pode dar, mas a gente vai levando. Meu mais novo é alérgico e tudo é mais caro. Quem me ajuda muito é o CRAS [Centro de Referência de Assistência Social] que manda cesta básica. Entrego nas mãos de Deus”, disse Lucrécia em entrevista ao Agora RN. Ao todo, foram 1,2 milhão de potiguares que tiveram a renda impactada pelo fim do auxílio.

Dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) na Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD Covid-19) de novembro de 2020 mostram que, no Rio Grande do Norte, a faixa de renda mais impactada pelo auxílio emergencial é a que tem a renda mais baixa. Neste grupo de pessoas, o valor mensal per capita é de, no máximo, R$ 45,21.

Os dados mostram que, sem o auxílio emergencial, a renda média por pessoa seria de R$ 7,60, mas com o pagamento subiu para R$ 154,85, um aumento de 1.937,50% para cerca de 320 mil pessoas no Estado potiguar. A segunda faixa de renda que mais foi impactada foi a das pessoas com o limite de até R$190,72. Sem o auxílio emergencial, a média de renda desse grupo seria de R$117,09 por pessoa em novembro de 2020. Com o auxílio, o valor aumentou para R$247,24, um aumento de 111,15%.

Agora RN

Últimos Eventos

21/09/2019
São Vicente/RN
03/03/19
Master Leite
06/05/18
Parque Dinissauros - Povoado Sto Antonio (Cobra)
Março 2017
Aero Clube

Mais eventos

Jornal Expresso RN

Baixar edições anteriores

Curta Jean Souza no Facebook

Siga Jean Souza no Instagram

Empresas filiadas

Banners Parceiros

Design por: John Carlos
Programação por: Caio Vidal
X
Experimente o nosso aplicativo para Android. Clique para baixar e aproveite!