Arquivos:

Saúde

Mesmo com isolamento, exposição moderada ao sol não deve ser esquecida

Foto: Reprodução

Diante do isolamento social devido ao novo coronavírus, a exposição solar fica prejudicada, mas não deve ser esquecida. A exposição moderada ao sol é importante para sintetização da vitamina D. Um dos benefícios da vitamina D é a melhora do sistema imunológico.

A vitamina D é um nutriente com função de hormônio que age em diversas áreas do organismo. “Sem dúvida, manter níveis normais de vitamina D está associado a menor taxa de infecções. Vitamina D está envolvida no processo de defesa do organismo contra agentes infecciosos e células cancerígenas. Isso se concluiu quando se compararam pessoas com baixo nível de VD, versus, altos níveis de VD”, explicou o coordenador científico da Sociedade Brasileira de Dermatologia (SBD), Helio Miot.

Segundo o médico, no mundo tem sido observados níveis baixos de vitamina D em toda a população. “Sabemos que 60% ou até 80%, dependendo do grupo populacional, tem níveis baixos de vitamina D, o que pode comprometer o funcionamento do organismo como um todo, especialmente as pessoas de risco como gestantes, idosos, imunossuprimidos, indivíduos em pós-operatório de cirurgia bariátrica, quem tem osteoporose e doenças intestinais. Esses indivíduos devem ter seu nível de vitamina D testado e, se forem baixos, receber a suplementação”.

O médico explica que grande parte da vitamina D é produzida pela pele, sendo mais de 90% pela exposição solar habitual. “Então não é aquele indivíduo que vai se bronzear na piscina, mas é durante aquela caminhada, ao estender uma roupa no varal, tudo isso promove uma grande síntese de vitamina D. Outra grande parte ocorre pela alimentação, com alimentos como peixes, ovos, derivados de leite e algumas frutas. Esses alimentos têm uma quantidade de vitamina D. Essas são as duas principais fontes de vitamina D para o organismo: exposição solar leve e alimentação”.

Saúde

Gabbardo: ‘É provável que coronavírus alcance toda a população’

Secretário-executivo do Ministério da Saúde, João Gabbardo – Foto: Assessoria

O secretário-executivo do Ministério da Saúde, João Gabbardo, afirmou em entrevista coletiva no Palácio do Planalto, em Brasília, que é provável que o novo coronavírus alcance toda a população. O contágio não quer dizer, no entanto, que todas essas pessoas desenvolverão os sintomas da doença.

Conforme histórico da disseminação da doença, já observado em outros países, 86% das pessoas que entraram em contato com o novo coronavírus não apresentaram nenhum problema de saúde decorrente. Os 14% restantes tiveram que procurar hospitais, desses alguns foram internados, alguns em unidades de terapia intensiva, e uma fração veio a óbito. A atual taxa de letalidade no Brasil é de 4,2% dos casos notificados.

“Todo mundo vai ter contato com o vírus. O que a gente precisa é ter tempo”, disse Gabbardo se referindo à necessidade de ampliação de atendimento, preparação de mais leitos e equipamento de mais unidades com respiradores artificiais. Preocupa o secretário-executivo riscos de sobreposição da Covid-19 com eventual aumento de gripe por influenza (H1N1) comum no inverno brasileiro. O país já iniciou a campanha nacional de vacinação anual contra a gripe.

Segundo o secretário-executivo, como ocorre em outras doenças, o organismo de muitas pessoas que venham a entrar em contato com vírus reagira produzindo a autoimunidade, o que no futuro, junto com tratamentos e uma vacina a ser desenvolvida, favorecerá a não mais disseminação massiva da doença como ocorre atualmente no Brasil e em outros países. “O fluxo de transmissão começa a diminuir quando já tiver 50% [da população] imunizada”, explicou Gabbardo.

De acordo com o Ministério da Saúde, 10.278 pessoas se infectaram com o novo coronavírus no Brasil até este sábado (4). O número de pessoas mortas por causa da Covid-19 já totaliza 432 óbitos. Os dados foram fechados às 14 horas com base nas informações das secretarias estaduais de saúde. O país ocupa a 16º lugar em casos da doença, o 14º lugar em óbitos e o 8º lugar em letalidade.

Por Jovem Pan

Saúde

Profissionais da saúde terão voos grátis nas companhias aéreas

Foto: Reprodução

Mesmo diante da maior crise da história da aviação comercial, o empenho no combate do novo coronavírus conseguiu unir as três maiores companhias aéreas do Brasil: a Gol, a Latam e a Azul.

Essas companhias aéreas oferecem viagens de graça para profissionais da saúde que estejam na linha de frente no combate ao novo coronavírus.

“Desde que eles compareçam ao aeroporto duas horas antes da partida, apresentem a identidade profissional emitida pelo conselho da classe, assim como uma declaração dizendo que vai participar de um trabalho de prevenção ou de tratamento relacionado ao Covid-19”, explica Marcelo Bento, diretor de relações institucionais da Azul.

Em um país com as dimensões do Brasil, a aviação comercial não consegue chegar em todas as regiões. Por isso, os donos das aeronaves de pequeno porte também resolveram ajudar, colocando à disposição aeronaves que podem transportar pessoas e equipamentos.

De forma voluntária, mais de 230 aeronaves já estão à disposição das autoridades e também vão se unir a essa luta.

Por CNN Brasil

Saúde

Natal atinge meta de vacinação para idosos e desativa postos volantes

Foto: Divulgação

O município de Natal atingiu nesta quinta-feira (02), a meta do Ministério da Saúde de vacinação contra influenza, com imunização de 90% dos 82mil idosos da capital. A boa participação das pessoas permitiu que esse número fosse alcançado antes do término da primeira etapa, que segue até 15 de abril, destinada ao público idoso maior de 60 anos e profissionais da saúde.

Com isso, a partir de segunda-feira (06), a vacina contra influenza passa a ser ofertada exclusivamente nas salas de vacina das 63 unidades básicas (UBS) da cidade. Os postos volantes criados com auxílio de parceiros, como os drives na Arena das Dunas, Nélio Dias, Via Direta e pontos da Cruz Vermelha, Hospital Varela Santiago e Praça Augusto Leite, deixam de funcionar a partir de hoje. A SMS Natal ainda ressalta que as doses não combatem o novo coronavirus.

“Vamos continuar a vacinação nas unidades básicas para atender a demanda remanescente de 10% do público idoso e profissionais da saúde que ainda não compareceram nessa primeira etapa. Também vamos garantir as doses destinadas para os condomínios cadastrados na plataforma do Lais onde os síndicos solicitaram a imunização nos imóveis, que recebe até 05 de abril novas solicitações; é possível requisitar esse serviço através do site natalvacinacaoidosos.lais.huol.ufrn.br “, destaca Juliana Araújo, diretora do Departamento de Vigilância em Saúde de Natal.

Saúde

Ministério da Saúde corrige data e informa que caso de Covid-19 ocorrido em janeiro foi em 25 de março

Foto: Divulgação

O Ministério da Saúde corrigiu nesta sexta-feira (3) a informação que havia divulgado nesta quinta (2) de que a primeira morte por coronavírus no país tinha sido em 23 de janeiro. Veja a nota:

“O Ministério da Saúde foi comunicado pela Secretaria Estadual de Saúde de Minas Gerais (SES-MG) nesta sexta-feira (3) sobre a conclusão de investigação do possível primeiro caso de Covid-19 no Brasil. A informação de início dos sintomas foi alterada de 23/1/2020 para 25/3/2020. Os dados no sistema de notificação estão sendo atualizados.”

Questionado sobre quem teria cometido este erro, o Ministério da Saúde disse: “Informamos que o erro foi por parte da SES-MG, que é responsável por cadastrar as notificações no sistema”.

Já a Secretaria de Estado da Saúde disse apenas que apura o ocorrido.

Na quinta-feira (2), o governo informou que a primeira morte causada por coronavírus no Brasil ocorreu em 23 de janeiro, mais de um mês antes daquele que foi confirmado como o primeiro caso. De acordo com o Ministério da Saúde, a descoberta é resultado de uma “investigação retrospectiva” dos pacientes internados com quadros de síndrome respiratória aguda grave.

Até então, o primeiro caso caso positivo de coronavírus tinha sido anunciado em 26 de fevereiro: um homem que mora em São Paulo, tem 61 anos, e que esteve na Itália. Quando o caso foi confirmado à época, já havia outros 20 casos em investigação e 59 suspeitas descartadas. Ao contrário da mulher de Minas Gerais, o empresário de São Paulo não chegou a ser internado e conseguiu se curar da doença.

“Lembrem-se que estamos fazendo a investigação de casos internados. Muitos desses casos estão com material colhido, e nós tivemos, a partir de investigação retrospectiva, a identificação do primeiro caso confirmado. Ele é da semana epidemiológica 4, de 23 de janeiro”, disse o secretário de Vigilância em Saúde, Wanderson Oliveira, nesta quinta-feira (2).

Morte inédita

Em Minas Gerais, até o momento, não houve nenhuma morte registrada no dia 25 de março, tampouco. O primeiro óbito confirmado no estado foi em 29 de março, conforme antecipado pelo G1 naquele dia e tornado público pela Secretaria de Estado da Saúde (SES-MG) no dia 30 de março.

Tampouco houve até o momento nenhum caso de morte em Minas de paciente com 75 anos, data informada pelo Ministério da Saúde.

No boletim epidemiológico divulgado pela SES-MG no início da tarde desta sexta (3), são confirmadas seis mortes pela Covid-19 em Minas Gerais, mas nenhuma delas é de paciente morto no dia 23 de janeiro ou no dia 25 de março.

O G1 questionou a Secretaria de Estado da Saúde sobre essas divergências e perguntou quem seria esse paciente morto no dia 25 de março e aguarda resposta.

Divergência

Ainda na noite desta quinta-feira (2), a SES-MG disse desconhecer esta morte em 23 de janeiro e reiterou que o primeiro caso de coronavírus confirmado em Minas Gerais foi no dia 8 de março, de paciente em Divinópolis.

Já o primeiro caso suspeito de coronavírus, segundo a SES, foi o de 28 de janeiro. “Era uma mulher de 22 anos, com histórico de intercâmbio estudantil para Wuhan e retorno ao Brasil em 24/01/2020. Este caso foi descartado dias depois”.

Na manhã desta sexta-feira (3), a SES-MG afirmou que aguardava mais informações do governo federal para identificar o caso e “adotar as medidas pertinentes”.

A pasta informou que, segundo dados disponíveis no Sistema de Informação de Vigilância da Gripe (SIVEP-Gripe), no mês de janeiro de 2020 foram registradas 163 notificações de Síndrome Respiratória Aguda Grave (SRAG) em Minas Gerais. Destas, 71 notificações foram de SRAG em pacientes com mais de 70 anos de idade.

Outra data para o zika

O secretário afirmou que uma mudança na data que marcou a confirmação do primeiro caso também ocorreu com o vírus da zika.

“Isso foi feito também no zika vírus. Inicialmente achávamos que os primeiros casos eram de abril de 2015 e, um ano depois, com investigação retrospectiva, verificamos que tinha caso de zika vírus identificado em banco de sangue na região amazônica desde abril de 2014”, disse Wanderson.

Por G1

Saúde

SESAP estranha comportamento de “alguns profissionais médicos”

Prédio da SESAP-RN – Foto: Reprodução

A Sesap divulgou nota à imprensa na tarde desta sexta-feira, 3, estranhando o comportamento e críticas de alguns profissionais médicos em relação às ações da Pasta.

Leia a íntegra:

GOVERNO DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE

SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE PÚBLICA

NOTA À IMPRENSA

NATAL (RN), 03 de abril de 2020.

A Secretaria de Estado da Saúde Pública (Sesap) estranha o comportamento de alguns profissionais médicos nas críticas que vêm fazendo as ações empreendidas pela Pasta no que diz respeito ao combate a Covid-19, que virou uma pandemia mundial e que preocupa as autoridades sanitárias de todo o Mundo.

A Sesap lembra que o Rio Grande do Norte foi o primeiro Estado da Federação a elaborar um Plano de Contingência Estadual para Infecção Humana pelo Covid-19. O plano, de conhecimento de todos principalmente da classe médica, serve para fundamentar a atuação do Estado, direcionando os municípios na elaboração e efetivação de seus planos, visando a organização da rede assistencial e de vigilância, em conformidade com o Ministério da Saúde.

O Plano foi concluído em fevereiro de 2020 a partir da constituição de comitês de enfrentamento de emergência e eventos de importância de saúde pública coordenador pela Sub-Coordenadoria de Vigilância Edpidemiológicae efetiva participação do corpo técnico da Sesap, Conselhos de Secretarias Municipais de Saúde do RN e Município de Natal por meio dos responsáveis pelas áreas
temáticas que compõem o Plano.

O objetivo geral é minimizar os efeitos da disseminação de uma cepa pandêmica sobre a morbimortalidade e suas repercussões na economia e no funcionamento dos serviços essenciais como:

1 monitorar a entrada de uma cepa pandêmica no estado;

2 retardar a disseminação de uma cepa pandêmica entre a população;

3 reduzir a morbidade, principalmente das formas grave da doença e mortalidade o´por Covid-19;

4 fortalecer a infraestrutura do Estado paa lidar com situações de emergência epidemiológica em doenças de transmissão respiratória: igilância em saúde, diagnóstico laboratorial, assistência e comunicação;

5 fortalecer as ações realizadas nos municípios do RN para vigilância ativa e assistência aos possíveis casos;

6 – identificar grupos prioritários de acordo com os distintos níveis de progressão da dispersão do vírus e da disponibilidade de drogas.

Saúde

Primeira morte por coronavírus no Brasil aconteceu antes do Carnaval, confirma governo

Foto: Divulgação

A primeira morte por coronavírus no Brasil aconteceu no dia 23 de janeiro, portanto antes do Carnaval. A informação é diferente do que foi divulgado inicialmente pelo Ministério da Saúde. A própria pasta divulgou a nova informação na tarde desta quinta-feira (2), segundo o G1.

O primeiro caso oficialmente registrado havia sigo no dia 26 de fevereiro, portanto depois do Carnaval. Tratava-se de um homem que mora em São Paulo, tem 61 anos, e veio da Itália. O empresário, que não teve o nome divulgado, não chegou a ser internado e se curou da doença.

O primeiro caso identificado, com a consequente morte, é de uma mulher de Minas Gerais, que tinha 75 anos. Até o caso do empresário que mora em São Paulo ser registrado, havia outros 20 em investigação e 59 outros suspeitos já foram descartados.

“Lembrem-se que estamos fazendo a investigação de casos internados. Muitos desses casos estão com material colhido, e nós tivemos a partir de investigação retrospectiva a identificação do primeiro caso confirmado, ele é da semana epidemiológica 4, de 23 de janeiro”, disse o secretário de Vigilância em Saúde, Wanderson Oliveira.

Saúde

Um terço das cidades brasileiras tem até 10 respiradores mecânicos

Foto: Prefeitura de Porto Alegre

Fundamental para pacientes com quadros severos de Covid-19, os respiradores mecânicos não estão presentes em grandes quantidades em boa parte dos municípios brasileiros.

Aproximadamente 33% das cidades do país têm, no máximo, dez respiradores mecânicos – contando hospitais públicos e privados.

Em 861 cidades brasileiras, há apenas um ventilador mecânico disponível. Enquanto isso, somente cinco cidades do país (São Paulo, Rio de Janeiro, Brasília, Belo Horizonte e Recife) concentram 26% de todos os respiradores do Brasil.

Ao todo, no Brasil, há 65.411 ventiladores mecânicos, sendo que 46.663 estão no Sistema Único de Saúde (SUS). O ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, disse nesta quarta (1º) que o Ministério quer adquirir 17 mil respiradores.

“Já adiantamos uma possível compra de 8 mil deles. Daria para acalmar São Paulo, Minas Gerais e Rio de Janeiro, as capitais”, afirmou. Ele pontuou, porém, que a entrega não é garantida, já que há uma grande demanda pelo equipamento em todo o mundo.

Saúde

Hospital de campanha será montado na Arena das Dunas para tratar pacientes

Arena das Dunas em Natal  – Foto: Divulgação

Um hospital de campanha será montado na área interna da Arena das Dunas em Natal para atender pacientes diagnosticados com o novo coronavírus (Covid-19). O espaço foi cedido ao Governo do RN pela empresa que administra o estádio e a previsão é de que a unidade temporária esteja pronta até o fim de abril.

De acordo com a Secretaria Estadual de Saúde (Sesap), a capacidade é de 100 leitos (50 para casos leves e 50 leitos de UTI para os pacientes com quadros mais graves). A estrutura não será instalada no gramado da arena.

O hospital será administrado por uma empresa contratada por meio de edital, que ficará responsável pela instalação de equipamentos e contratação de profissionais médicos, enfermeiros, técnicos e assistentes. Também em Natal, outro hospital de campanha está sendo montado no prédio do antigo Hotel Parque Costeira.

Leia reportagem na íntegra aqui.

Saúde

Brasil tem 201 mortes por Covid-19 e mais de 5,7 mil casos confirmado

Ministros da Saúde, Henrique Mandetta

Subiu para 5.717 o número de casos confi rmados no Brasil da Covid-19, infecção transmitida pelo novo coronavírus. O último balanço do Ministério da Saúde, divulgado nesta terça-feira (31), mostra que foram registradas 1.138 novas confirmações em apenas um dia.
As mortes pela doença chegam a 201, com aumento de 42 óbitos em relação à ultima contagem. É o maior aumento para um dia só desde o início da pandemia no País. A taxa de mortalidade continua em 3,5%. Para conter o avanço da pandemia, o Ministério da Saúde orienta que a população siga em isolamento social, diminuindo assim o ritmo de contágio do vírus e evitando que o sistema de saúde se sobrecarregue.

A medida vai na mesma direção que o recomendado por especialistas e pela Organização Mundial da Saúde. As autoridades da Organização Pan-Americana da Saúde (Opas) também afirmaram nesta terça-feira que as medidas de isolamento social são as mais adequadas para reduzir o avanço da pandemia do novo coronavírus, que já atinge 846 mil pessoas em 177 países, com mais de 41 mil mortes. 176 mil já foram recuperadas.

Na contramão dessas recomendações e contrariando governadores, o presidente Jair Bolsonaro defende que a população volte ao trabalho mesmo durante medidas de isolamento social. Questionado na manhã de ontem sobre declarações do ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, defensor das medidas de isolamento social, Bolsonaro estimulou apoiadores a hostilizarem a imprensa e mandou repórteres f carem quietos.

Jornalistas que fazem a cobertura diária do Palácio da Alvorada se retiraram de entrevista concedida pelo presidente.

Cenário local

No Rio Grande do Norte, o número de casos confirmados também subiu nesta terça-feira. Agora, são 82 pacientes no Estado com a Covid-19, sendo 42 em Natal. Os casos suspeitos são 1.836 e outros 405 pacientes tiveram o exame com resultado negativo (descartados). O RN segue com 1 óbito registrado.

Óbito suspeito

A Secretaria Estadual de Saúde Pública (Sesap) abriu investigação na noite desta terça-feira (31) para apurar caso de morte suspeita pelo novo coronavírus em Natal. O óbito foi de um homem, de 22 anos, que estava internado em um hospital privado da capital potiguar. Segundo a Sesap, o homem estava inscrito na lista de casos suspeitos de covid-19 no RN.

Agora RN

Empresas filiadas

Banners Parceiros

Design por: John Carlos
Programação por: Caio Vidal
Botch das divs centrais
X
Experimente o nosso aplicativo para Android. Clique para baixar e aproveite!