Ministério Público » Rio Grande do Norte

Promotores acusam ex-servidor por tentativa de assassinato do procurador-geral Rinaldo Reis

Fachada do MPRN.

O Ministério Público Estadual do Rio Grande do Norte denunciou o ex-servidor Guilherme Wanderley Lopes da Silva pelas tentativas de homicídio contra o procurador-geral de Justiça, Rinaldo Reis Lima, o procurador de Justiça adjunto Jovino Pereira da Costa Sobrinho e o Coordenador da Assessoria Jurídica Administrativa Wendell Beetoven Ribeiro Agra.

No dia 24 de março, Guilherme invadiu armado o prédio da Procuradoria-Geral de Justiça em Natal e atirou contra os procuradores e o coordenador. Antes dos disparos, entregou uma carta na qual constavam as supostas motivações para o crime.

Na denúncia contra o acusado, os promotores afirmam que ‘desde a assunção ao cargo de provimento em comissão, no ano de 1997, e após sua inclusão como servidor efetivo da instituição ministerial, o denunciado não sofreu qualquer punição disciplinar ou teve algum tipo de solicitação administrativa negada’.

Segundo a investigação do Ministério Público, quando Rinaldo Reis Lima se candidatou ao cargo de procurador-geral de Justiça, em 2013, Guilherme Wanderley teria tentado convencer os promotores e procuradores a não votarem nele, em razão de uma das propostas relacionadas aos vencimentos dos servidores da Instituição, que teria desagradado o então servidor.

“O desejo de vingança do acusado aumentou com a reeleição de Rinaldo Reis no ano de 2015, o que também significava a permanência das outras vítimas, Wendell Beetoven Ribeiro Agra e Jovino Pereira da Costa Sobrinho, na administração superior do Ministério Público do Rio Grande do Norte”, relatam os promotores que subscrevem a denúncia.

Segundo a acusação, Guilherme Wanderley teria adquirido ‘de forma ilegal’ um revólver para ‘entabular um plano para ceifar a vida das vítimas’.

O ex-servidor da Procuradoria elaborou inclusive pedidos de exoneração a serem assinados pelos procuradores Rinaldo Reis Lima e Jovino Pereira da Costa Sobrinho.

Segundo a carta, redigida pelo acusado, os procuradores admitiriam ‘atos de improbidade’ e pediriam ‘desculpas’, inclusive ao próprio criminoso. Momentos antes de atirar, a carta foi entregue às vítimas, dentro do prédio da Procuradoria.

No texto, redigido pelo próprio denunciado, há um tópico intitulado ‘Por que matar Rinaldo, Jovino e Wendell?”. Em um parágrafo, o ex-servidor afirma que ‘foi tempo demais na companhia desses tiranos’.

“No meio Ministério Público, local do meu labor, não mais! Chega!”, escreveu.

Logo após entregar a carta, segundo a denúncia do Ministério Público, o ex-servidor sacou a arma e começou a atirar. Os disparos atingiram o procurador-geral de Justiça e as outras vítimas.

Depois do atentado, Guilherme Wanderley conseguiu fugir. No dia seguinte, o ex-servidor público se entregou e foi preso preventivamente.

Os promotores acusam Guilherme Wanderley por três tentativas de homicídio duplamente qualificados, ‘pela motivação fútil e em razão de ter sido praticado mediante dissimulação’.

COM A PALAVRA, GUILHERME WANDERLEY

O advogado Jonas Antunes, que defende Guilherme Wanderley, não foi localizado. O espaço está aberto para manifestação.

 

 

Agora RN

Últimos Eventos

21/09/2019
São Vicente/RN
03/03/19
Master Leite
06/05/18
Parque Dinissauros - Povoado Sto Antonio (Cobra)
Março 2017
Aero Clube

Mais eventos

Jornal Expresso RN

Baixar edições anteriores

Curta Jean Souza no Facebook

Siga Jean Souza no Instagram

Empresas filiadas

Banners Parceiros

Design por: John Carlos
Programação por: Caio Vidal
X
Experimente o nosso aplicativo para Android. Clique para baixar e aproveite!