Rio Grande do Norte

Governo e prefeituras do RN ainda esperam socorro de R$ 946 milhões

Ministro Paulo Guedes e presidente Bolsonaro

O presidente Jair Bolsonaro marcou para a manhã desta quinta-feira (21) uma reunião por videoconferência com os governadores para discutir o projeto de socorro financeiro para estados e municípios. A governadora do Rio Grande do Norte, Fátima Bezerra, foi convidada e disse que participará do encontro.
A proposta, que aguarda sanção do presidente desde o dia 7 de maio, prevê um repasse direto de R$ 60 bilhões para governos estaduais e prefeituras, como forma de compensação pelas perdas de arrecadação provocadas pela pandemia do novo coronavírus.

De acordo com o projeto aprovado pelo Congresso Nacional, o Rio Grande do Norte será beneficiado com aproximadamente R$ 946 milhões, em quatro parcelas mensais. Desse valor, R$ 597 milhões serão encaminhados para o Governo do Estado e R$ 349 milhões serão rateados entre os 167 municípios.

Com relação à verba do Governo do Estado, R$ 442 milhões serão enviados para uso livre. O dinheiro poderá ser usado, por exemplo, para pagar salários dos servidores e demais despesas. O restante (R$ 155 milhões) deverá ser aplicado obrigatoriamente em ações de enfrentamento ao novo coronavírus.

Entre os municípios, R$ 299 milhões serão de livre aplicação e R$ 50 milhões deverão ser investidos apenas na saúde. O maior valor será destinado à capital do Estado, Natal, que vai receber R$ 88,1 milhões. Em seguida, vem Mossoró, com R$ 29,6 milhões, e Parnamirim, com R$ 26 milhões.

Bolsonaro não sancionou o projeto até agora porque ainda não decidiu se vetará o trecho da lei que permite a concessão de reajustes salariais para várias categorias do funcionalismo público. O ministro da Economia, Paulo Guedes, defende o congelamento dos salários dos servidores até o fim de 2021, como uma contrapartida dos estados e municípios.

A intenção do presidente da República é fechar um acordo sobre o tema, envolvendo também o presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), que defende a ajuda federal e chegou a articular a aprovação de um projeto na Câmara que previa um repasse de recursos até maior. Com o diálogo, Bolsonaro quer evitar que o veto aos reajustes seja derrubado pelo Congresso.

Na terça (19), Maia pediu que o presidente sancione o projeto ainda nesta semana. Segundo o presidente da Câmara, a demora pode gerar a necessidade de o governo ter de fazer uma segunda onda de ajuda a governadores e prefeitos.

Fátima Bezerra também cobrou pressa. “É urgente a sanção do presidente ao Auxílio Emergencial aos Estados, (…) que vai possibilitar ao RN ter acesso a R$442 milhões em quatro parcelas, minimizando o forte impacto da queda das receitas, de maneira que que os Estados possam honrar as obrigações básicas frente à população”, escreveu a governadora, pelo Twitter.

Dívidas

Além do repasse direto, estados e municípios serão beneficiados com a liberação de R$ 49 bilhões através da suspensão e renegociação de dívidas com a União e com bancos públicos e de outros R$ 10,6 bilhões pela renegociação de empréstimos com organismos internacionais, que têm aval da União.

Os municípios serão beneficiados, ainda, com a suspensão do pagamento de dívidas previdenciárias que venceriam até o final do ano. Essa medida deverá representar um alívio de R$ 5,6 bilhões nas contas das prefeituras. Municípios que tenham regimes próprios de previdência para os seus servidores ficarão dispensados de pagar a contribuição patronal, desde que isso seja autorizado por lei municipal específica.

No total, o auxílio financeiro para estados e municípios deverá ser de R$ 125,2 bilhões.

Ajuda só recompõe parte dos prejuízos das prefeituras, diz Femurn

A Federação dos Municípios do Rio Grande do Norte (Femurn), entidade que representa as prefeituras potiguares, também cobrou agilidade na sanção presidencial ao auxílio. Contudo, em nota conjunta com a Confederação Nacional dos Municípios (CNM), ressaltou que o socorro financeiro só recompõe parte do prejuízo das prefeituras.

O auxílio previsto para os municípios potiguares é de R$ 350 milhões. O valor, segundo a Femurn e a CNM, será “fundamental para que os gestores possam manter, minimamente, suas estruturas administrativas e a prestação de serviços a sua população”; porém, trata-se de uma quantia “muito menor que a perda efetiva da arrecadação”.

O levantamento das entidades mostra que a previsão para este ano é que o conjunto das 167 prefeituras do Rio Grande do Norte vai perder R$ 795,6 milhões em arrecadação. O auxílio financeiro do governo federal, portanto, cobriria menos da metade (44%) do rombo nas contas.

O presidente da Femurn, José Leonardo Cassimiro (Naldinho), disse que a perda de arrecadação prejudica a estratégia das prefeituras no combate à pandemia do novo coronavírus. Ele ressaltou que, apesar do isolamento social, os serviços básicos continuam funcionando nos municípios, o que demanda gasto público. “Mais do que o que está sendo feito é impossível, porque os municípios estão sufocados”, destacou Naldinho.

Números

PROJEÇÃO DE PERDAS DOS MUNICÍPIOS DO RN
Quota-parte do ICMS: R$ 188,44 milhões
ISS: R$ 155,84 milhões
IPTU/ITBI: R$ 64,82 milhões
Fundeb: R$ 236,24 milhões
FPM: R$ 150,25 milhões
Total: R$ 795,6 milhões

PROJEÇÃO DO SOCORRO FINANCEIRO
Governo do RN: R$ 597 milhões
Prefeituras: R$ 349 milhões

Por Tiago Rebolo

Últimos Eventos

21/09/2019
São Vicente/RN
03/03/19
Master Leite
06/05/18
Parque Dinissauros - Povoado Sto Antonio (Cobra)
Março 2017
Aero Clube

Mais eventos

Jornal Expresso RN

Baixar edições anteriores

Curta Jean Souza no Facebook

Siga Jean Souza no Instagram

Empresas filiadas

Banners Parceiros

Design por: John Carlos
Programação por: Caio Vidal
X
Experimente o nosso aplicativo para Android. Clique para baixar e aproveite!