Política

Congresso inicia 2016 sob escombros de 2015

Termina nesta terça-feira o recesso parlamentar. Quem olhar para o Congresso verá o pretérito passando diante dos olhos. Deputados e senadores abrirão o ano legislativo de 2016 sob os escombros de 2015. Vivo, Cazuza definiria a agenda legislativa do ano como um museu de novidades: o impeachment, as contas de Dilma rejeitadas pelo TCU, a DRU, a CPMF… Tudo isso sob o comando dos suspeitos de sempre: Eduardo Cunha e Renan Calheiros —o primeiro mordendo Dilma Rousseff na Câmara. O segundo soprando a presidente no Senado.

O Congresso saiu em férias pouco depois de o petista Nelson Barbosa assumir o Ministério da Fazenda, com o compromisso de virar a página do ajuste fiscal que o governo não deixou Joaquim Levy executar. E volta à ativa uma semana depois de Dilma informar aos membros do Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social, o Conselhão, que a página do ajuste será virada para trás. Contra a recessão, ideias velhas como a oferta de R$ 83 bilhões em crédito subsidiado. Contra o rombo nas contas públicas, a recriação da CPMF.

Noutros tempos, os 45 dias de férias talvez dessem aos parlamentares uma perspectiva renovada do Brasil, pois enxergariam o antes e o depois sem a dispersão que os distrai nos plenários da Câmara e do Senado. Hoje, se um congressista pergunta aos colegas o que estão achando do Brasil na volta ao trabalho, arrisca-se a ouvir uma mesma resposta: como piorou, né?

Como manda a Constituição, Dilma enviará ao Congresso uma mensagem para ser lida na primeira sessão do ano. Nela, a presidente prestará contas do que imagina já ter realizado e informará o que ainda se julga capaz de fazer. Em fevereiro de 2015, a mensagem de Dilma partia de premissas frágeis, para chegar a conclusões equivocadas. A credibilidade da peça pode ser medida em dois trechos.

Num trecho, a presidente prometia ajustar a economia sem “recessão e retrocesso.” Noutro, sustentava que seu governo tem “combatido sem trégua a corrupção.” Em 2016, o Brasil caminha para o terceiro ano de recessão. E a Lava Jato já se acerca até de Lula. A despeito disso, Dilma manterá o timbre otimista na nova mensagem ao Legislativo. Anotará que o país sairá da crise mais forte e competitivo. Para facilitar, pede a abertura de um diálogo inspirado no lema dos mosqueteiros: um por todos, todos por hummmm…

Prevalecendo o modelo preconizado por Dilma, o sistema econômico vigente no Brasil não será nem o capitalismo nem o socialismo, será o crédito consignado. Os brasileiros se dividirão em credores (poucos) e devedores (todo o resto). O crédito (empresarial e pessoal) será a nova religião. O diabo é que, já mergulhados em dívidas, os devotos talvez prefiram se abster.

Com a inflação a pino, Dilma atravessa seu sexto ano no poder. Há cinco anos, ela achou que era hora de enfrentar o tigre. Por algum tempo, acreditou poderia continuar correndo na frente do tigre. O tigre pegou o Brasil. Agora, Dilma tenta o milagre de convencer o Congresso e o país que foi melhor assim, que o tigre não é tão ruim quanto parece e, pensando bem, é bom ser devorado pelo tigre. Desde que o Congresso colabore e o brasileiro se finja de bobo. Pelo bem do Brasil.

 

Josias de Souza

Últimos Eventos

21/09/2019
São Vicente/RN
03/03/19
Master Leite
06/05/18
Parque Dinissauros - Povoado Sto Antonio (Cobra)
Março 2017
Aero Clube

Mais eventos

Jornal Expresso RN

Baixar edições anteriores

Curta Jean Souza no Facebook

Siga Jean Souza no Instagram

Empresas filiadas

Banners Parceiros

Design por: John Carlos
Programação por: Caio Vidal
X
Experimente o nosso aplicativo para Android. Clique para baixar e aproveite!