Arquivos:

Olimpíadas 2016

Seleção masculina de futebol estreia na Rio 2016 com jogo em Brasília

Brasília sedia nesta quinta-feira (4) os primeiros jogos do futebol masculino dos Jogos Olímpicos Rio 2016. A capital federal terá esquema especial de trânsito e interdição de vias, mas algumas atividades vão funcionar normalmente, mesmo com a estreia da seleção brasileira diante da África do Sul no Estádio Mané Garrincha.

O público que desejar acompanhar a partida do Brasil e também o jogo entre o Iraque e a Dinamarca vai precisar ficar atento às mudanças e sinalizações das vias. As ruas principais de acesso ao estádio estarão bloqueadas, inclusive as seis faixas do lado norte do Eixo Monumental, avenida que corta a cidade entre as asas Sul e Norte e dá acesso à Esplanada dos Ministérios.

Entre a Rodoviária do Plano Piloto e o Palácio do Buriti, sede do Governo do Distrito Federal, o acesso de carros na chamada N1, do Eixo Monumental, ficará bloqueado. Na S1, três faixas estarão interditadas desde as 7h. As demais serão utilizadas por ônibus especiais que farão o trajeto até menos de um quilômetro do estádio.

Em três locais diferentes, os motoristas poderão estacionar seus carros e embarcar no transporte público: os estacionamentos de 1 a 12 do Parque da Cidade, a plataforma superior da Rodoviária do Plano Piloto e o estacionamento do depósito do Departamento de Trânsito (Detran-DF), sendo que este último estará disponível apenas para pessoas com mobilidade reduzida. O estacionamento 12 do parque vai ficar disponível a pessoas com deficiência.

Diferentemente da Copa do Mundo de 2014, quando o transporte que saía dos estacionamentos era gratuito, a tarifa das três linhas de ônibus custará R$ 2,25. Com intervalo de no mínimo cinco e no máximo 15 minutos, as viagens ocorrerão desde as 10h até as 20h de hoje, cumprindo a determinação de funcionar três horas antes e duas horas depois das partidas.

Quem se dirigir às proximidades do Mané Garrincha de bicicleta poderá procurar estações de paraciclo localizadas próximo à Funarte, entre a Torre de TV e o Centro de Convenções, a 500 metros da arena. De acordo com a Secretaria de Mobilidade do DF, o local vai contar com a segurança de policiais militares. Já os taxistas terão acesso ao estacionamento do Centro de Convenções Ulysses Guimarães, que fica do lado do estádio.

Apesar de estarem em greve, os funcionários do metrô vão trabalhar normalmente, das 6h às 23h30, nos dias dos jogos de futebol em Brasília, cumprindo determinação do Tribunal Superior do Trabalho. Em algumas datas, inclusive, o funcionamento será estendido até a 1h do dia seguinte devido aos horários dos jogos.

Para evitar problemas de congestionamento, os órgãos públicos distritais que funcionam próximo ao estádio não terão expediente quando houver partidas na capital. É o caso do complexo do Palácio do Buriti, da sede da Procuradoria-Geral do Distrito Federal, da sede da Companhia de Planejamento do DF (Codeplan) e da sede da Agência de Desenvolvimento (Terracap).

Os servidores públicos federais não terão ponto facultativo e, com isso, as atividades do Poder Executivo na Esplanada dos Ministérios vão funcionar normalmente. A Câmara dos Deputados decretou que o expediente irá até as 13h desta quinta-feira em razão do jogo da seleção.

O Senado não concedeu folga aos servidores. De manhã, os integrantes da Comissão do Impeachment votam o relatório do senador Antonio Anastasia (PSDB-MG), que deu voto favorável ao impeachment da presidenta Dilma Rousseff por crime de responsabilidade.

A cidade, que receberá dez partidas de futebol, inclusive duas quartas-de-final, terá restrições no espaço aéreo, nas proximidades do palco. A disputa entre o Iraque e a Dinamarca está marcada para as 13h, e a a Seleção Brasileira de Futebol enfrenta os sul-africanos às 16h. Hoje também é dia da estreia nos demais grupos da competição, com partidas na Arena da Amazônia, no Estádio Olímpico (Engenhão, no Rio), e na Arena Fonte Nova, em Salvador.

A Seleção Brasileira entra em campo em busca do inédito ouro na Olimpíada. Nessa quarta-feira, pelo futebol feminino, o Brasil foi superior à China e venceu por 3 a 0 a partida no Engenhão.

Olimpíadas 2016

Rio 2016 começa hoje com futebol feminino; Brasil estreia em busca do ouro

Antes mesmo da cerimônia oficial de abertura dos Jogos Olímpicos, o Brasil entra em campo para a sua primeira disputa. Nesta quarta-feira (3), a seleção brasileira de futebol feminino começa a correr atrás de uma medalha de ouro contra a seleção da China. A partida ocorre às 16h no estádio Engenhão (Rio de Janeiro) e terá transmissão da Rádio Nacional para todo o país.

Mais do que um título inédito, as jogadoras da seleção veem na conquista uma forma de conseguir a afirmação definitiva da modalidade no país.

“A conquista do ouro seria decisiva para a evolução do futebol feminino no Brasil. As pessoas sabem que a gente ganhou uma prata, mas um ouro ninguém esquece. Atletas que ganharam medalhas de ouro não foram esquecidos e até hoje recebem ajuda, patrocinadores”, aponta a goleira Bárbara.

A esperança dela e de outras atletas é que a visibilidade no esporte faça os próprios clubes se fortalecerem no país e, quem sabe, o futebol das meninas caia tanto no gosto dos torcedores como o masculino. Por enquanto, os números mostram uma realidade diferente: das 18 convocadas para os jogos, 13 jogam no exterior e cinco fazem parte da seleção permanente, projeto criado no início de 2015 com o objetivo de garantir um bom resultado na Olimpíada.

Bárbara, que é uma das atletas do time permanente, ressalta a qualidade do projeto: “Esse um ano e meio que icamos juntas só teve a somar. A gente convive no dia a dia e hoje a gente consegue jogar de olhos fechados. Acredito que a seleção hoje tem uma cara e podemos buscar a medalha”, aponta.

Apesar de ter a garantia do presidente da Confederação Brasileira de Futebol (CBF), Marco Polo Del Nero, de que o projeto vai continuar, ainda não se sabe se as jogadoras atuais serão mantidas. “Não sabemos o que vai se fazer no pós-Olimpíada. Algumas jogadoras tem contrato, outras não. Eu não tenho, mas pretendo continuar, ajudar meus país e desenvolver o meu trabalho”, diz. O desempenho na própria Olimpíada pode ser decisivo em relação à continuidade de algumas atletas na seleção.

Despedida da capitã

A Olimpíada também marca a despedida da capitã da seleção brasileira, Formiga. Aos 38 anos, ela vai encerrar a carreira após a disputa da sexta edição dos jogos. Bárbara diz que o título olímpico não só seria uma maneira de Formiga fechar o ciclo na seleção com chave de ouro como também seria uma forma das outras jogadoras a convencerem a seguir no time.

“Ela parar é uma perda muito grande para nós que jogamos futebol. Apesar de ela ter uma idade avançada, isso não é muita coisa porque o potencial que ela tem é infinito. A gente queria muito que ela desse continuidade. A gente precisa muito dela. A gente vai em busca deste ouro. Quem sabe ela se motiva mais para tentar buscar alguma coisa com a seleção”.

Depois da partida contra a China, o time de Bárbara, Formiga e outras jogadoras (como a craque Marta), ainda enfrentará a África do Sul e a Suécia. Ao todo, doze seleções disputam o torneio de futebol feminino nas Olimpíadas.

Outros jogos

No Rio de Janeiro, Suécia e África do Sul se enfrentam hoje a partir das 13h. Na Arena Corinthians, em São Paulo, o Canadá joga contra a Austrália, às 15h, e o Zimbábue pega a Alemanha às 18h.

Já em Belo Horizonte, no Mineirão, Estados Unidos x Nova Zelândia duelam a partir das 19h, e na sequência, às 22h, o último jogo do dia entre França x Colômbia. Ao longo da competição, também haverá jogos femininos em Brasília e Manaus.

Agência Brasil
Olimpíadas 2016

Ginastas chinesas dormem com telas de proteção para evitar zika

As provas da modalidade de ginástica artística ocorrerão entre os dias 7 e 16 de agosto.

As provas da modalidade de ginástica artística ocorrerão entre os dias 7 e 16 de agosto.

Mais uma vez, a condição do Brasil de receber as Olimpíadas é alvo de críticas, por causa do zika vírus. No mês passado, a goleira americana Hope Solo postou uma foto com seu “arsenal” anti-zika, declarando estar preocupada antes de embarcar para o Brasil. Agora, a equipe chinesa de ginástica artística feminina também expôs suas técnicas de prevenção.

Yilin Fan, Yi Mao, Chunsong Shang, Jiaxin Tan e Yan Wang compõem a equipe. Já instaladas na Vila Olímpica, elas utilizam telas individuais que cobrem suas camas para se proteger do mosquito. No canto de uma das fotos também pode ser visto um repelente.

As provas da modalidade de ginástica artística ocorrerão entre os dias 7 e 16 de agosto e toda a proteção busca evitar um possível impedimento da participação das chinesas nos jogos olímpicos.

Desde início do surto de zika no Brasil, que acabou se espalhando por países vizinhos, várias presenças foram canceladas ou questionadas nas olimpíadas do Rio2016. Não apenas atletas, mas também os turistas que virão assistir aos jogos têm o receio de contaminação, mesmo que autoridades brasileiras, como o Ministro da Saúde Ricardo Barros, tenham garantido que as devidas providências de precaução estão sendo tomadas.

O Povo
Olimpíadas 2016 » Segurança

Forças Armadas assumem segurança de atletas olímpicos em Manaus

Divulgação

Divulgação

As Forças Armadas foram autorizadas hoje (30) pelo presidente da interino, Michel Temer, a assumirem a segurança do Hotel Tropical, em Manaus. As tropas da Marinha e do Exército farão a segurança das delegações que vão se hospedar no local. A capital amazonense será uma das sedes das partidas de futebol nas Olimpíadas.

De acordo com o Ministério da Defesa, o pedido de reforço foi feito pelo governador do Amazonas, José Melo de Oliveira, que alegou o esgotamento do efetivo das polícias estaduais para atuarem na proteção dos atletas. Após a decisão de Temer, o ministro da Defesa, Raul Jungmann, pediu ao Estado-Maior das Forças Armadas o emprego de 600 militares na operação.

De acordo com o Ministério da Defesa, 22 mil militares da Marinha, do Exército e da Força Aérea Brasileira (FAB) farão o patrulhamento dos locais de competições durante a Olimpíada e os Jogos Paralímpicos.

Esporte » Olimpíadas 2016

Neymar será capitão da Seleção Brasileira nas Olimpíadas

Neymar será o capitão da seleção olímpica

Neymar será o capitão da seleção olímpica

O atacante Neymar vai ser o capitão da seleção brasileira na Olimpíada do Rio de Janeiro. A oficialização ocorreu na manhã desta sexta-feira. O técnico Rogério Micale disse que teria várias opções no grupo para exercer o posto, mas preferiu manter a braçadeira com o craque do time, que já exerce a função na equipe principal.

“Em relação ao capitão vai ser o Neymar. Eu tenho um outro capitão aqui do meu lado (Marquinhos, que participou da entrevista coletiva), que poderia ter a faixa por tudo o que ele representa”, disse Micale. “Não só ele, como o Rodrigo Caio, o Luan e até o Gabriel Jesus, pelo amor com que joga. O Fernando (Prass) poderia ser o capitão. Não temos um troféu, são 18 medalhas.”

Micale afirmou que Neymar é um jogador muito querido no grupo, demonstrou ser não apenas um grande atleta, mas também um grande homem. “Já existia uma situação interna definida, mas o grupo já sabia o que seria feito. Apenas estou aqui agora externando”, disse o técnico.

Ele repetiu o que disse antes da apresentação do grupo sobre Neymar – que só esperava coisas boas por parte do craque – e que o jogador até superou suas expectativas. “Neymar demonstrou ser aquilo que a gente via e superou minhas expectativas em relação à qualidade. Ele muda de direção o tempo todo com facilidade, é fora de série no um contra um. No ambiente interno, é muito querido, tem um coração enorme em relação aos companheiros, principalmente os mais jovens. Abraçou os meninos que nos ajudaram.”

Agência Estado
Olimpíadas 2016

As oportunidades ambientais perdidas pelas Olimpíadas do Rio

Divulgação

Divulgação

Quando o Brasil foi escolhido para ser sede da Olimpíada, em 2009, o país vivia um momento bem distinto do atual, às vésperas do início dos Jogos. Na época, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva afirmava que, “os Jogos Olímpicos no Rio serão inesquecíveis, pois estarão cheios da magia e da paixão do povo brasileiro”. Não é necessário ressaltar que tal cenário mudou e que a sociedade brasileira não está assim tão empolgada com a realização dos Jogos.

De acordo com o Datafolha, em pesquisa realizada em julho de 2016, 50% dos brasileiros são contra a realização do evento e 9% indiferentes. Seria mais estranho se fosse o contrário, pois, além da insatisfação generalizada em relação à situação política e econômica, cada vez mais se entende que esses eventos são executados com desperdício de dinheiro e com resultados além dos prometidos.

É quase que uma metáfora de todo o país. Na visão de boa parcela da população, pagamos muito e recebemos muito pouco em troca. Mesmo com os argumentos de que o evento é um legado e que o “espírito olímpico” será importante para o país, a visão cética e pragmática se ressalta – e com motivos. É quase impossível assistir passivo ao show de promessas não cumpridas que vão desde obras de infraestrutura e medidas de despoluição até a compensação das emissões de carbono do evento – estimadas em 3,6 milhões de toneladas de carbono equivalente – por meio da recomposição de vegetação nativa.

Em 2012, o governo do estado do Rio de Janeiro prometeu plantar 34 milhões de árvores (aproximadamente 20 mil hectares) para compensar as emissões do evento. De lá para cá, diversos outros números apareceram na mídia, mas todos aparentemente sem fundamento técnico. Hoje, pouco sabemos sobre a quantidade de hectares que efetivamente receberam ou receberão recomposições florestais, bem como se esses projetos são de fato adicionais, ou seja, não aconteceriam sem o investimento direto de recursos provindos dos Jogos Olímpicos.

Recentemente, na Folha de S.Paulo foi possível ler a seguinte informação: “A Secretaria do Ambiente disse que restaurou 3.275 hectares de Mata Atlântica, o que representa 68,7% das emissões a serem compensadas”. No entanto, não há transparência em relação ao financiamento nem à localização desses plantios. O que sabemos é que, provavelmente, como também já foi anunciado, o governo do Rio de Janeiro vai recorrer a outras formas de neutralização para fazer cumprir suas próprias metas.

Muitos podem dizer que as metas foram autoestabelecidas e que o mais importante seria o sucesso na realização dos Jogos, e não no cumprimento de promessas ambientais vagas e pouco fundamentadas. Mas é importante frisarmos que isso é mais uma prova do pouco caso que, de maneira generalizada, o Brasil faz de suas responsabilidades.

Um país que se compromete com o plantio de 12 milhões de hectares (aproximadamente 18 bilhões de árvores) até 2030 não consegue cumprir com uma meta muito menos ousada num espaço de tempo praticamente igual ao que teremos para atingir a que foi prometida na COP 21, realizada em dezembro de 2015, em Paris. Ou seja, perdemos uma chance de mostrar aos 5 bilhões de espectadores e aos 11 mil atletas que levamos a sério os compromissos estabelecidos e que reconhecemos a importância de deixar um legado positivo, que é uma das grandes bandeiras defendidas pelo Comitê Olímpico Internacional. Também não foi por falta de recurso, pois, de acordo com matéria da mesma Folha de S.Paulo em 21 de julho deste ano, o Comitê Rio 2016 conseguiu atingir a meta de patrocínio e o orçamento total do evento chegou a R$ 39 bilhões.

Fica claro que mais esse insucesso é apenas uma questão de prioridade ou de sua ausência.

Olimpíadas 2016

Depois de percorrer o País, chama olímpica chega ao Rio de Janeiro

Depois de viajar por todo o Brasil, a chama olímpica finalmente chegou ao estado do Rio de Janeiro. A primeira cidade fluminense a receber a tocha foi Paraty, no sul do estado, onde o fogo foi conduzido ontem por 14 pessoas.

O marinheiro Gabriel de Amorim Santos, que tem deficiência de estatura, encerrou a passagem da tocha por Paraty. Depois de Paraty, a tocha seguiu para Angra dos Reis.

Olimpíadas 2016

Esquema de defesa aérea restringe o uso de drones durante as Olimpíadas

Operação iniciada no último dia 24 pode impedir o voo de equipamentos não tripulados e afetar até mesmo o sinal de celular

Ainda indefinida, a regulamentação de drones prometida para o mês de agosto não foi concluída conforme anunciado pela Agência Nacional de Aviação Civil (ANAC) – a expectativa do órgão era estabelecer regras para o uso desses pequenos equipamentos não tripulados antes do início dos Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro. A principal preocupação se deve ao fato desses veículos serem de difícil controle e oferecerem certo risco ao espaço aéreo, especialmente durante a realização de eventos de grande porte, com significativa aglomeração de pessoas.

Em vista disso, no último dia 24, entrou em operação o esquema de segurança delimitando e restringindo o espaço aéreo das áreas de maior importância para os jogos, proibindo o sobrevoo de áreas por diversos tipos de aeronaves, inclusive, drones. Como medidas emergenciais, a defesa brasileira já conta com equipamentos especiais afim de barrar a comunicação desses aparelhos. A tecnologia utilizada somente em casos extremos pode causar interferência no sinal emitido pelos drones e afetar até mesmo o uso de celular nas áreas de controle.

Blog Tangaraense
Olimpíadas 2016

Governo e comitê garantem que ‘100% dos problemas da Olimpíada serão resolvidos’


Com um discurso de que os Jogos Olímpicos do Rio serão bem-sucedidos e tentando minimizar as críticas feitas à organização do evento e a alguns problemas encontrados na Vila Olímpica, o ministro da Casa Civil, Eliseu Padilha, do Esporte, Leonardo Picciani, e o presidente Comitê Organizador dos Jogos Olímpicos e paralímpicos Rio 2016, Carlos Arthur Nuzman, concederam coletiva de imprensa e afirmaram que até o dia da abertura, 5 de agosto, “100% dos problemas estarão resolvidos”.

“Pretendemos que até o fim de semana todos os edifícios estejam em ordem. Se eu for enumerar tudo que está bom e que ninguém falou, vocês não terão espaço”, disse Nuzman, aos jornalistas. O presidente do Comitê Rio-2016 disse ainda que nas edições passadas sempre foram registrados problemas antes da abertura. “Ninguém começa organização de jogos olímpicos sem a necessidade de ajustes”, afirmou, ressaltando que é comum problemas em apartamentos ou casas novas ou que passaram por reformas. “Todos nós moramos em apartamentos; todos nós temos problemas em casa.”

Nuzman disse ainda que a organização está fazendo um detalhamento do que falta de ajuste e que todas as áreas estão sendo trabalhadas. Inclusive, minimizou o risco de problemas de abastecimento de energia. Nuzman afirmou que a Vila Olímpica tem 31 edifícios com 3.600 apartamentos entregues ao mesmo tempo. “É difícil que não tenha reparos a serem feitos”, completou. “Pretendemos que até o final da semana todos os edifícios estejam em ordem.”

Outro tom

O ministro Eliseu Padilha, mudou o tom de seu discurso e afirmou que o momento é de solidariedade. Segundo ele, o presidente em exercício, Michel Temer, mandou uma mensagem para a reunião deixando claro “que agora o que está em jogo é a imagem do Brasil”. Após as críticas da delegação australiana a Vila Olímpica, Padilha tinha dito que a responsabilidade das obras não era no governo federal. “Haverá solidariedade e responsabilidade, vamos estar juntos”, comentou o ministro. Ao ser questionado sobre a mudança de discurso, Padilha disse que “claro que tem (mudança no discurso), está mudando também o tempo”. “Se não solidarizar vai ficar alguma coisa descoberta.”

Padilha afirmou ainda que nesta penúltima reunião preparatória para os Jogos houve a convicção de que o Brasil terá 100% dos problemas resolvidos e haverá tempo de corrigir alguns reparos. Segundo ele, entretanto, o julgamento da imagem do Brasil só virá no fim dos Jogos. “A imagem do Brasil será julgada no fim dos Jogos. Nesta fase de reta de chegada dos preparativos encontram-se problemas que estão sendo resolvidos”. Questionado se as críticas eram injustas, Padilha disse que “justo ou injusto, vamos ver mais adiante no final das Olimpíadas”.

O ministro Picciani também exaltou a crença de que os Jogos do Rio serão um sucesso e talvez “os melhores do mundo”. “Eventuais ajustes nos Jogos estão dentro do que acontece normalmente”, disse. “Saímos daqui confiantes que teremos uma grande edição dos Jogos Olímpicos”, completou.

Agência Estado
Olimpíadas 2016

Estado Islâmico sugere formas de terror nos Jogos Olímpicos do Rio

O Estado Islâmico e outros grupos jihadistas conclamaram os seus seguidores a atuar como “lobos solitários” e realizar ataques terroristas durante os Jogos Olímpicos do Rio, em agosto Entre os alvos sugeridos estão as delegações e visitantes dos Estados Unidos, Inglaterra, França e Israel. Os métodos propostos abrangem a utilização de drones com pequenos explosivos, acidentes de trânsito e o uso de veneno e medicamentos.

A defesa dos ataques foi realizada em inglês por meio do aplicativo de mensagens Telegram, que costuma ser usado para estimular a ação de “lobos solitários”, revelou análise do SITE Intelligence, consultoria especializada na atuação de grupos extremistas na internet, que é referência no tema até para o governo dos Estados Unidos.

Em junho, o Estado Islâmico criou no Telegram o primeiro canal para disseminação de propaganda jihadista em português, voltado para o público brasileiro. Desde então, seguidores do grupo passaram a disseminar a incitação de atos terroristas por um grupo que se autointitula “Ansar al-Khilafah Brazil”, que se apresenta como baseado no País.

O autor das mensagens orientou os seguidores a se aproveitarem das favelas do Rio onde a criminalidade é disseminada e a usarem a “porosa fronteira” com o Paraguai para levar armas ao Brasil. “O recente post sobre os Jogos Olímpicos do Rio diz que ‘vistos, entradas e viagens para o Brasil serão fáceis de obter'”, ressaltou a análise do SITE. Segundo a empresa, os jihadistas utilizam o Telegram para fornecer manuais para realização de atentados e celebram a realização de ataques.

O SITE sugeriu que o governo brasileiro não descarte nenhuma ameaça e estude a ação online do Estado Islâmico e outros grupos jihadistas voltada não apenas para o público que fala português. “O terrorismo moderno é um novo fenômeno para o qual as mídias sociais desempenham um papel perigoso, com chamadas para ataques que alcançam usuários ao redor de todo o mundo”, afirmou a análise. “Os ataques terroristas nos últimos dois anos mostram que nenhum país do mundo está imune à ameaça do EI e de jihadistas radicais”.

Na avaliação da consultoria, os recentes chamados para ataques nos Jogos Olímpicos não são surpreendentes. “Esse é um evento mundial e um alvo que é justificável tanto para EI quanto para outros jihadistas”.

Na avaliação da consultoria, ataques recentes por lobos solitários mostraram que a estratégica dos terroristas tem sido bem-sucedida. Há três dias, um imigrante afegão feriu quatro pessoas a machadadas na Alemanha, em um ataque que parece ter sido inspirado no EI. Na semana passada, um tunisiano matou 84 pessoas em Nice, na França, usando um caminhão como arma. Um mês antes, um filho de afegãos nascido nos Estados Unidos assassinou 49 pessoas a tiros em uma casa noturna gay de Orlando.

“Isso só alimenta mais chamados por ataques e será preciso apenas um atacante disposto a agir no Brasil para desempenhar esse papel”, observaram os analistas do SITE.

Agência Estado

Empresas filiadas

Banners Parceiros

Design por: John Carlos
Programação por: Caio Vidal
Botch das divs centrais
X
Experimente o nosso aplicativo para Android. Clique para baixar e aproveite!