Notícias

TSE cobra ressarcimento de R$ 11 mi de partidos

Recém-empossado ministro do TSE, Admar Gonzaga.

O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) determinou ontem que sete partidos devolvam um total de R$ 11 milhões aos cofres públicos, por meio de recursos próprios. A decisão foi tomada nos julgamentos das contas de PT, PSDB, PMDB, DEM, PSL, PSOL e PSTU referentes a 2011. Na análise, o tribunal encontrou gastos não comprovados.

A reprovação de contas do PSDB foi um dos últimos atos do ministro Henrique Neves, que deixou a Corte após completar o segundo biênio – em seu lugar, tomou posse ontem o ministro Admar Gonzaga. Entre as irregularidades apontadas, constam despesas com passagens aéreas e gastos com diretórios estaduais sem a efetiva comprovação, além da não apresentação de notas fiscais de hospedagem.

Na decisão monocrática, Henrique Neves determinou que a legenda devolva R$ 3,9 milhões e destine R$ 2,1 milhões para incentivar a participação feminina na política – medida também aplicada para o DEM.

Na decisão que envolveu o PT, o colegiado decidiu, por unanimidade, reprovar as contas da legenda e determinar a devolução de R$ 5,6 milhões aos cofres públicos. Também suspendeu o repasse de R$ 7,9 milhões – valor equivalente a um mês de repasse.

No rol de irregularidades apontadas em auditoria do tribunal estão transferências indevidas para diretórios estaduais impedidos de receber recursos e a quitação de empréstimo de R$ 1,877 milhão feito ao Banco Rural, transação que o Supremo Tribunal Federal (STF) considerou simulada durante o julgamento do mensalão, em 2012.

O montante considerado irregular supera os 10% do total repassado ao partido naquele ano (R$ 51,1 milhões), número levado em consideração pelos ministros do tribunal. O PSL também teve suas contas reprovadas e terá de ressarcir R$ 519 mil.

Outras legendas tiveram suas contas aprovadas com ressalvas: PMDB (devolverá R$ 762 mil), PSOL (R$ 133 mil), PTC (R$ 114,5 mil) e PSTU (R$ 8.030).

Recursos. O TSE manteve a exigência para que o ressarcimento seja feito com recursos próprios, evitando que os partidos usem dinheiro do Fundo Partidário para cumprir a determinação. No início do mês, reportagem do Estado mostrou que os partidos pleiteavam a possibilidade de usar recursos públicos para pagar multas.

Em conversas com o presidente do TSE, ministro Gilmar Mendes, as legendas tentam a criação de uma resolução permitindo este tipo de uso. O argumento era de que, desde que o STF proibiu o financiamento empresarial de campanha, o caixa dos partidos secou.

Contraponto. Em nota, o PSDB declarou que vai recorrer, pois a determinação do tribunal “deixa de cumprir uma etapa importante da análise das contas do PSDB”.

O PSOL afirmou que o departamento jurídico da legenda está analisando o caso. O PSTU informou que o valor a ser ressarcido é referente a passagens aéreas e que a taxa de irregularidade, de 0,82%, é a menor entre as legendas partidárias julgadas.

Procurado, PT e PTC disseram que não iriam se manifestar. Representantes de PMDB e PSL não foram localizados.

Estado de S. Paulo

Últimos Eventos

21/09/2019
São Vicente/RN
03/03/19
Master Leite
06/05/18
Parque Dinissauros - Povoado Sto Antonio (Cobra)
Março 2017
Aero Clube

Mais eventos

Jornal Expresso RN

Baixar edições anteriores

Curta Jean Souza no Facebook

Siga Jean Souza no Instagram

Empresas filiadas

Banners Parceiros

Design por: John Carlos
Programação por: Caio Vidal
X
Experimente o nosso aplicativo para Android. Clique para baixar e aproveite!