Notícias

Repórter da ESPN lembra agressão de torcida na Argentina e carona a campeão olímpico

O repórter André Plihal, da ESPN, sempre deixou claro que o seu time do coração é o São Paulo. Mas ele garante que nunca teve problema com os torcedores dos outras equipes. Problema mesmo ele teve na Argentina, onde chegou a ser agredido.

O incidente aconteceu em Buenos Aires. Plihal iria entrar ao vivo em frente ao Monumental de Nuñez, três horas antes de um jogo entre River Plate e São Paulo, quando começou a ser agredido. “Nunca levei tanto tapa e cusparada. Seriam muito links e foi apenas um. Trabalhava com um câmera argentino que foi me ajudar e apanhou também”, disse.

Em 1998, ele já havia levado um susto na Argentina, durante a final da Copa Conmebol entre Rosário Central e Santos. “Não sei quem foi o gênio que me deu um cabo verde e amarelo para trabalhar. Foi duro me concentrar com a expressão de ódio dos argentinos e aqueles gritos de ‘brasileiro vai morrer’.

Já no Brasil, a história é diferente. “Todas as torcidas me respeitam. Sempre há alguma brincadeira, como me chamar de bambi, mas nunca houve problema algum. Cobri o título mundial do Corinthians, estive com muitos torcedores e ninguém me criticou. Todos sabem separar as coisas”.

A paixão pelo São Paulo nasceu em 1982, quando Plihal, então com sete anos, viu o goleiro Valdir Peres sofrer um frango na Copa do Mundo. André se solidarizou com o goleiro, criticado por muitos. Perguntou ao pai em que time jogava e pediu para conhecê-lo. Por coincidência havia um amigo do amigo do amigo que era amigo do preparador físico e, seis meses depois, houve o encontro entre o goleiro e o fã solidário. Foi em um treino no Morumbi, onde o São Paulo se preparava para decidir o título paulista com o Corinthians. Três dias depois, ele foi ao Morumbi pela primeira vez. Torceu pelo seu amigo goleiro. Não adiantou. O Corinthians venceu por 1 a 0.

A carreira de Plihal começou em 1995, na rádio Bandeirantes. Em 1997, ele passou para o Canal 21, do mesmo grupo, onde fazia um programa diário de esportes, o Jogo Aberto. “Era bem precário, eu mesmo marcava entrevista e buscava entrevistados em uma Saveiro que eu dirigia. Gente grande como Marcelo Negrão ou Gustavo Borges sofreu para andar em carro pequeno como aquele. O programa era em restaurantes, em esquema de permutas, me diverti e aprendi muito”.

Pouco depois, o Canal 21 deixou de fazer esportes e Plihal teve a oportunidade de voltar para a rádio, mas já havia optado pela televisão. Viu a Copa de 98 pela ESPN e gostou do trabalho. Pediu ajuda ao amigo André Kfouri e conseguiu uma entrevista com José Trajano, que era o diretor geral. “Ele me entrevistou e marcou uma nova conversa dali a alguns dias. Então, na segunda entrevista, me mandou cobrir o Troféu Brasil de Atletismo. Nem deu tempo de avisar a família que estava em emprego novo.”

Em 12 de dezembro de 2013, André Plihal, em parceria com outro goleiro do São Paulo – Zetti – lançará o seu terceiro livro: 1993 Somos bicampeões do mundo, que conta a conquista do título mundial sobre o Milan, por 3 a 2. Os outros livros são Maioridade Penal, que fez juntamente com Rogério Ceni, e 1992 O mundo em três cores, que escreveu com Raí, sobre o primeiro título mundial do São Paulo.

Postado por: Eduardo Bezerra

Últimos Eventos

21/09/2019
São Vicente/RN
03/03/19
Master Leite
06/05/18
Parque Dinissauros - Povoado Sto Antonio (Cobra)
Março 2017
Aero Clube

Mais eventos

Jornal Expresso RN

Baixar edições anteriores

Curta Jean Souza no Facebook

Siga Jean Souza no Instagram

Empresas filiadas

Banners Parceiros

Design por: John Carlos
Programação por: Caio Vidal
X
Experimente o nosso aplicativo para Android. Clique para baixar e aproveite!