Notícias

Alimentação Ministério da Saúde reduz quantidade de sódio em temperos, caldos, cereais matinais e margarinas

 

O Ministério da Saúde anunciou a terceira etapa de seu programa para reduzir o consumo de sódio pelos brasileiros. O ministro Alexandre Padilha e o presidente da Associação Brasileira das Indústrias de Alimentação, Edmundo Klotz, assinaram um documento que estabelece metas nacionais para reduzir o teor de sódio em diversos alimentos processados. O termo de compromisso prevê diminuir a quantidade da substância em temperos, caldos, cereais matinais e margarinas vegetais.

Nos documentos anteriores, foram regulados macarrões instantâneos, bisnagas, pães de forma e francês, mistura para bolos, salgadinhos de milho, batata frita, biscoitos e maionese. Somadas as três etapas, a previsão é de que até 2020, estejam fora das prateleiras brasileiras mais de 20.000 toneladas de sódio. A iniciativa faz parte do Plano de Ações Estratégicas para o Enfrentamento das Doenças Crônicas Não Transmissíveis, lançado em agosto do ano passado.

O termo de compromisso estabelece o acompanhamento das informações da rotulagem nutricional dos produtos e análises laboratoriais destes alimentos. "Com esse novo termo, pretendemos oferecer um alimento mais saudável, tanto no ambiente familiar quanto nos locais de trabalho. O Brasil se antecipa às ações que a Organização Mundial de Saúde pretende adotar em relação ao sódio. O modelo seguido pelo Ministério da Saúde pode se tornar referência para outros países", afirma o ministro Padilha.

Segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS), a recomendação de consumo máximo de sal por dia é de menos de cinco gramas por pessoa. No entanto, dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) revelam que o brasileiro consome, em média, 12 gramas por dia.

Esse consumo elevado pode trazer graves danos à saúde da população. Uma pesquisa realizada em 2011 revelou que a hipertensão arterial atinge 22,7% da população adulta no Brasil. Se o consumo de sódio for reduzido para o valor recomendado pela OMS, as mortes por acidentes vasculares cerebrais podem diminuir em 15%, e as mortes por infarto em 10%. Além disso, o Ministério da Saúde estima que 1,5 milhão de brasileiros não precisariam de medicação para hipertensão e a expectativa de vida seria aumentada em até quatro anos.

Postado por: Portal Veja / Karla de Lima

Últimos Eventos

21/09/2019
São Vicente/RN
03/03/19
Master Leite
06/05/18
Parque Dinissauros - Povoado Sto Antonio (Cobra)
Março 2017
Aero Clube

Mais eventos

Jornal Expresso RN

Baixar edições anteriores

Curta Jean Souza no Facebook

Siga Jean Souza no Instagram

Empresas filiadas

Banners Parceiros

Design por: John Carlos
Programação por: Caio Vidal
X
Experimente o nosso aplicativo para Android. Clique para baixar e aproveite!