Arquivos:

Currais Novos » Esporte » Jiu Jitsu

‘BOM DE BRAÇO’: curraisnovense se consagra vice-campeão Brasileiro de Jiu-Jitsu pela CBJJ

Mais uma vez o atleta curraisnovense Mariano Guimarães Neto (Mariano da EMES) trouxe para Currais Novos uma importante medalha. Mariano ficou com o vice-campeonato de Jiu-Jitsu, na categoria Faixa Marrom, campeonato realizado pela maior federação de Jiu-Jitsu do mundo.

O evento teve duração de duas semanas e contou com mais de sete mil inscritos, sendo considerado o maior evento do Brasil. A disputa ocorreu sábado (05), em São Paulo.


Parabéns, guerreiro, que venham outros títulos!

Brasil » Esporte » Jiu Jitsu

‘DIABO LOIRO’: Curraisnovense é considerado a lenda do Vale-Tudo no Brasil

O mito do “Diabo Loiro” é referenciado até hoje pelos amantes do MMA

No início da década de 40, nascia em uma comunidade rural de Currais Novos um galego franzino, que mais tarde se tornaria o imbatível “Diabo Louro”, virando a sensação de todos os tempos do vale-tudo, hoje MMA (Artes Marciais Mistas). Poucas pessoas em sua cidade natal conhece a sua história. Euclides nasceu na comunidade Malhada Limpa, em 7 de maio de 1941, e muito cedo perdeu os pais. Passou uma temporada com o padrinho Monsenhor Paulo Herôncio, que o enviou para estudar no colégio Salesiano, em Natal. Posteriormente, o menino “briguento” foi transferido para Fortaleza, onde aprendeu o ofício de marceneiro, mas sem muita vocação para os estudos, foi parar em Recife, onde sua vida tomaria um outro rumo. Em frente a uma pensão que morava, uma academia do mestre Jurandir Moura, responsável por incorporar o Jiu-Jitsu no Nordeste, chamou sua atenção. Um convite dos filhos de Jurandir, que também moravam na pensão, foi o suficiente para levá-lo ao mundo do vale-tudo.

Euclides Pereira começou a lutar em 1958, aos 19 anos, e dedicou 25 anos da sua vida aos ringues. Segundo os relatos, lutou 530 vezes sem perder um único embate. Com pouco mais de 70 quilos e 1,75m, enfrentou e venceu oponentes com quase o dobro do peso. Sua fama começou na TV Ringue Torre, em Recife, onde começou como segurança, e depois de uma luta de apresentação, virou sensação. Todas as segundas-feiras ele desafiava um lutador e lá se foram mais de 100 lutas sem jamais ser derrotado. O programa acabou em 1966, mas Euclides já era um fenômeno. Percorreu quase todo o Brasil enfrentando adversários de todos os tipos: “Eu era chamado para lutar e muitas vezes nem sabia quem era, na hora eu resolvia”, disse o campeão, que venceu lutadores conhecidos como Ivan Gomes, Dedy Balbino, Waldemar Santana, Rei Zulu, King Kong e Takeo Yano, entre outros, terminando sua carreira invicto.

O segredo de Euclides na hora de criar o seu estilo “Vale-Tudo Nordestino”, foi se aperfeiçoar unindo várias artes marciais, além do Jiu-jitsu, boxe, capoeira, Karatê, luta livre e judô, hoje essa junção é chamada de “cross-training”, e ele já praticava na década de 60.

A Bahia sempre lhe trouxe ótimas conquistas. Foi na “Terra de Todos os Santos”, que conheceu sua esposa Vânia Simões, com quem teve três filhos e viraria sua fiel escudeira na sua carreira. Foi em Salvador também, no ginásio da Fonte Nova, que ele fez a sua principal luta da carreira, considerada épica pelos amantes do MMA, enfrentando Carlson Gracie, da família Gracie, famosa no mundo todo por dominar a arte do jiu-jitsu. No dia 6 de setembro de 1968, após quase perder a luta por estrangulamento, Euclides reagiu e depois de três rounds, o “Diabo Loiro” venceu, com folga, por pontos, o até então imbatível “Garoto de Ouro” da família Gracie, se consagrando e virando, em definitivo, um mito. “Ele nunca reconheceu a derrota, chegou no Rio de Janeiro dizendo que tinha sofrido um acidente de carro, e eu queria a revanche, mas ele nunca aceitou”, disse Euclides.

Sua vitória contra o Carlson Gracie registrada em jornal da época. (Foto: Arquivo Pessoal)

Após as conquistas no Nordeste, o curraisnovense, através de um amigo, o Índio, seguiu para a recém-inaugurada Brasília, onde arrumou um emprego no Senado e enfrentou nomes de peso, como Waldemar Santana. Segundo ele, apesar do enorme sucesso não ganhou dinheiro com vale-tudo, e devido a isso, chegou a passar por dificuldades financeiras. “Eu era muito ingênuo, fechava os contratos de boca e no final ninguém pagava. Só a luta com Carlson Gracie rendeu R$ 23 milhões, até hoje espero o dinheiro”, falou.

Euclides Pereira aposentou-se do vale-tudo aos 40 anos, com a mesma arma usada na primeira luta: uma guilhotina, contra Hércules. Fã assumido do UFC, é um admirador dos lutadores Anderson Silva, Minotauro, Júnior Cigano e Lyoto Machida, lutadores que segundo ele, tem o seu estilo de luta. O campeão, hoje com 76 anos, curte a aposentadoria em Brasília, onde mora com a esposa desde 1970.

Ele revelou para nossa Revista, que nunca largou as artes marciais. Continua treinando e também dando palestras. Há dez anos visitou sua terra natal, e tem vontade de voltar, mas sob uma condição: quando chover.

Euclides Pereira se tornou um ícone brasileiro do Jiu Jitsu e Vale-tudo. (Foto: Arquivo pessoal)

Fátima Souza - Revista Pulsação / Blog Jean Souza

Últimos Eventos

21/09/2019
São Vicente/RN
03/03/19
Master Leite
06/05/18
Parque Dinissauros - Povoado Sto Antonio (Cobra)
Março 2017
Aero Clube

Mais eventos

Jornal Expresso RN

Baixar edições anteriores

Curta Jean Souza no Facebook

Siga Jean Souza no Instagram

Empresas filiadas

Banners Parceiros

Design por: John Carlos
Programação por: Caio Vidal
Botch das divs centrais
X
Experimente o nosso aplicativo para Android. Clique para baixar e aproveite!