Arquivos:

Feminicídio » Rio Grande do Norte

RN: Uma mulher é assassinada a cada quatro dias de 2019

FOTO: REPRODUÇÃO/INTERNET

As estatísticas do Observatório da Violência, o OBVIO, mostram que uma mulher foi morta violentamente no Rio Grande do Norte a cada quatro dias de 2019. Neste ano, 53 mulheres foram assassinadas entre 1º de janeiro e 24 de julho. No total, 16 desses casos foram registrados como feminicídios, homicídio motivado por violência doméstica ou discriminação de gênero.

Dos 16 feminicídios deste ano, 15 foram cometidos pelos parceiros amorosos das vítimas.

Apesar da comoção causada por essas mortes, 2019 é o ano com o menor número desses casos quando se é observado o histórico para o mesmo período de meses desde 2015, quando 59 mulheres foram mortas entre janeiro e julho. Em relação ao ano passado houve uma redução desses crimes em 13,1%. Isso porque, em 2018, nessa mesma época, 61 mulheres já haviam sido assassinadas.

O ápice da violência letal contra mulheres aconteceu em 2017. De 1º de janeiro a 24 de julho daquele ano, 77 mulheres foram executadas, sendo que 23 delas em crimes caracterizados como feminicídios. O ano de 2016, com 54 homicídios de mulheres no mesmo período, é o que mais se aproxima de 2019. Inclusive, o número de ocorrências classificadas como feminicídios foi o mesmo: 16.

Portal no Ar
Feminicídio

Polícia prende homem suspeito de inventar assalto e matar namorada em Monte Alegre

FOTO: ARQUIVO PESSOAL

Policiais Civis da Delegacia de Monte Alegre prenderam, nesta terça-feira (23), Serafim Crisóstomo Júnior, 30 anos. A prisão se deu em cumprimento a um mandado de prisão preventiva. Ele é investigado pela autoria do feminicídio que vitimou Josierica da Rocha Alves, 23 anos, no município de Monte Alegre.

O crime aconteceu na madrugada do dia 4 de junho, quando a vítima foi atingida na cabeça por um disparo de arma de fogo, no momento em que chegava em casa, acompanhada do suspeito. Logo após o crime, Serafim Crisóstomo alegou que ele e Josierica da Rocha teriam sido vítimas de um assalto e que a estudante havia sido atingida em uma troca de tiro entre ele e os supostos criminosos.

No entanto, de acordo com as conclusões do laudo pericial, o disparo que atingiu a estudante na cabeça partiu da arma de Serafim Crisóstomo, apreendida pela polícia e periciada pelo Instituto Técnico-Científico de Perícia (ITEP). Segundo o delegado Elói Xavier, titular da Delegacia de Monte Alegre, a troca de tiros relatada pelo suspeito também não foi confirmada nas investigações. A motivação do crime ainda está sendo apurada.

A Polícia Civil pede que a população continue enviando informações de forma anônima, através do Disque Denúncia 181.

Portal no Ar
Feminicídio » Mulher » Violência

CASO ZAIRA: Universitária morta no RN foi estuprada e vítima de feminicídio, conclui Polícia Civil

Zaira Cruz tinha 22 anos — Foto: Arquivo Pessoal

A Polícia Civil informou nesta terça-feira (26) que a estudante universitária Zaira Cruz, assassinada em Caicó, no Seridó potiguar, no carnaval, foi vítima de feminicídio e dois estupros praticados pela mesma pessoa. O suspeito é o policial militar que foi preso no dia 15 de março pela polícia durante as investigações.

As informações foram repassadas pelo delegado Leonardo Germano, titular da Delegacia Municipal de Caicó e responsável pelo inquérito. Segundo ele, a jovem, que tinha 22 anos, foi estuprada pelo PM, primeiramente, no mês de agosto de 2018. O crime não foi denunciado, contudo foi constatado na investigação. Depois disso, no dia 2 de março deste ano, ela foi morta pelo policial.

“No dia 2 de março de 2019, Zaira Cruz encontra-se com ele no carnaval de Caicó. Ele fica com a vítima, dentro de um veículo, entre 2h14min e 3hs da madrugada. Neste lapso temporal, o policial tenta ter relação sexual com a universitária, porém ela nega. Diante da negativa de Zaira, ele a estupra e depois decide matá-la. Por volta das 3hs, Zaira é encontrada morta dentro do veículo, no banco do passageiro”, detalhou o delegado.

Durante as investigações, a Polícia Civil descobriu que o primeiro estupro sofrido por Zaira Cruz, no mês de agosto do ano passado, foi compartilhado pela vítima em conversas com pessoa próxima a ela. A universitária relatava que o policial militar tentou manter relação sexual, sem uso de preservativo e que, após a negativa dela, ele a violentou.

“Diante deste fato, gostaríamos de deixar um alerta sobre a importância das mulheres denunciarem este tipo de violência, para que não haja uma progressão característica do ciclo da violência”, alertou o delegado Leonardo Germano. O policial está preso e é apontado pelos investigadores como responsável pelos crimes. O inquérito agora será remetido à Justiça.

G1 RN

Últimos Eventos

21/09/2019
São Vicente/RN
03/03/19
Master Leite
06/05/18
Parque Dinissauros - Povoado Sto Antonio (Cobra)
Março 2017
Aero Clube

Mais eventos

Jornal Expresso RN

Baixar edições anteriores

Curta Jean Souza no Facebook

Siga Jean Souza no Instagram

Empresas filiadas

Banners Parceiros

Design por: John Carlos
Programação por: Caio Vidal
Botch das divs centrais
X
Experimente o nosso aplicativo para Android. Clique para baixar e aproveite!