Corrupção

Empresas da Lava Jato estão ligadas a corrupção na gestão PSDB em MG, diz petista

O líder do governador de Minas, o petista Fernando Pimentel, na Assembleia Legislativa do Estado, deputado Durval Ângelo (PT), afirmou nesta sexta-feira, 6, que a auditoria que está sendo realizada pelo Executivo já mostrou que houve “total” e “absoluta” corrupção nas gestões anteriores envolvendo “as mesmas empreiteiras da Operação Lava Jato”. Desde 2003, quando o atual senador Aécio Neves (PSDB-MG) assumiu o governo, o grupo do tucano comandou o Estado e só deixou o Executivo com a eleição de Pimentel em outubro passado.

Ao assumir o cargo em 1º de janeiro, o petista anunciou uma auditoria total nas contas do governo, que foi a principal vitrine usada pela campanha presidencial de Aécio no ano passado. A apuração, que é comandada pelo controlador-geral do Estado, o “xerife” Mário Spinelli, e tem prazo de 90 dias para ser concluída, é mantida em sigilo pelos integrantes do Executivo. “Eu, como líder do governo, não estou autorizado a divulgar as auditorias. Mas elas são estarrecedoras”, afirmou Durval. Questionado se a apuração tem revelado que houve corrupção, foi categórico: “tem total. Aqui (a corrupção) é absoluta”.

O parlamentar chegou no fim da manhã para participar do encontro nacional do PT, que é realizado em um hotel em Belo Horizonte. Entre os participantes do evento está o tesoureiro do PT, João Vaccari Neto, que na quinta-feira, 5, foi levado mediante ordem judicial para depor na Polícia Federal em São Paulo nas investigações da Operação Lava Jato, que investiga desvio de recursos da Petrobrás.

Mas, na avaliação de Durval, mesmo que as auditorias em Minas comprovem a participação das empreiteiras envolvidas no caso da Petrobras com eventual corrupção nas gestões tucanas no Estado, elas “não vão ter o mesmo destaque por ser o Aécio Neves e o PSDB”. “Agora, o PT não é um partido que agrada as grandes elites desse País”, ressaltou Durval Ângelo.

E o deputado petista salientou ainda que as críticas ao PT por causa do envolvimento da legenda na Lava Jato “não é ruim” porque, segundo ele, um dos preceitos do partido está em jogo. “Nós tínhamos um tripé que era muito caro: a participação popular, a inversão de prioridades e a ética e transparência. O terceiro pé está abalado”, declarou.

“Nós, de cabeça erguida, temos que enfrentar essas denúncias de corrupção. E não acharmos que é porque os outros fazem, não podemos fazer, e porque escondem dos outros tem que esconder o nosso. Temos que repensar nosso caminho, nossa trilha, com certeza absoluta. Não podemos dar uma de avestruz”, completou, defendendo uma autocrítica dos petistas no encontro. O evento, que também marca as comemorações de 35 anos do PT, vai durar todo o dia e será encerrado com ato que terá as presenças da presidente Dilma Rousseff e do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, além de outros expoentes petistas.

Estadão

Empresas filiadas

Banners Parceiros

Design por: John Carlos
Programação por: Caio Vidal
X
Experimente o nosso aplicativo para Android. Clique para baixar e aproveite!